Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

07 Setembro de 2018 | 13h09 - Actualizado em 07 Setembro de 2018 | 13h17

Moradores do São Paulo pedem reforço de policiamento

Luanda - Os moradores e os proprietários dos estabelecimentos comerciais no bairro São Paulo, distrito do Sambizanga, município de Luanda, pedem ao comando municipal da Polícia Nacional o reforço do patrulhamento na circunscrição.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Vista parcial da cidade de Luanda.

Foto: Pedro Parente

O pedido surge devido aos constantes assaltos as cantinas dos cidadãos de nacionalidade maliana, senegalesa, guineense e de outros paises africanos, principalmente no período diurno.

A maioria dos estabelecimentos comerciais nas ruas Vereadores dos Prazeres, Lobito, Benguela, Garcia Neto, Comandante Bula e Ndunduma, assim como os cambistas de valores monetários, kínguilas, sofrem assaltos constantes durante o dia.

Outro facto que preocupa os moradores tem a ver com os roubos de armas de fogo dos seguranças que, segundo os residentes, são utilizadas supostamente em outras acções criminosas.

Na última Quarta-feira, na rua Ndunduma, uma cantina foi assaltada por volta das 10 horas da manhã. Os meliantes levaram dinheiro, em valor indeterminado, avultadas quantidades de produtos, cartões de recarga telefónica, guloseimas e outros víveres.

“Eles chegaram em um carro, fazendo-se passar por clientes, entraram e fecharam a porta, três estavam do lado de fora e dois dentro, com armas de fogo empunhadas exigiram-me o dinheiro todo, enquanto o outro colocava em sacos e mochilas o que podia ”, explicou a funcionária que foi refém do grupo por algum tempo.

A funcionária referiu que a polícia chegou rápido, mas os gatunos já tinham se retirado.

Segundo o proprietário, Mamadú Dialó, esta é a segunda vez que em menos de um mês é assaltado, nas mesmas condições e horário, apesar da presença constante da polícia no local.

O comerciante reconheceu que o modus operandi dos bandidos torna difícil o trabalho da polícia, porque os ladrões fazem-se passar por clientes e de forma discreta e subtil praticam essas acções.

Leia também