Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

14 Setembro de 2018 | 23h23 - Actualizado em 14 Setembro de 2018 | 23h21

Novo Executivo trabalha para concretização de ideais de Neto - Escritor Luís Mendonça

Luanda - O novo Executivo angolano está a trabalhar para concretizar os ideais do primeiro Presidente de Angola, António Agostinho Neto, e implementar o sentido antropológico e ético da geração de 50, afirmou hoje, sexta-feira, o escritor angolano Luís Mendonça.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Ao dissertar numa palestra o tema “Os novos intelectuais de Angola e o paradigma do Estado Nação na poesia de Agostinho Neto”, o escritor realçou que esta geração defendia que o Estado deve ser ético e de bem, tendo reconhecido que pelo que vê, “o Presidente João Lourenço está a trabalhar neste sentido”.

O novo Executivo, continuou, está a tentar colmatar, criando comissões de trabalho, uma nova forma de governação, punindo os infractores para ver se consegue impôr o sentido ético e antropológico que defendia a geração de 50.

 Considera que para a concretização destes ideais, é necessário o Governo apostar em escolas com melhor qualidade, resgatar os valores culturais e que a justiça seja independente.

Explicou que Agostinho Neto pertenceu à geração de Mensagem que inclui Alcântara Monteiro, Viriato da Cruz, Mário Pinto de Andrade, António Jacinto e outros que tinha como ideal a libertação do país e o regresso às raízes angolanas.

 Para o escritor, desta geração Agostinho Neto foi o que melhor sintetizou estes ideais na sua poesia, principalmente no poema Voz Igual, onde se encontra o modelo de Estado Nacão que esta geração queria.

Neste modelo, de acordo ainda com o prelector, os governantes devem ser pessoas éticas, honestas, responsáveis e todo o trabalho do Governo deve ser dirigido para os grupos mais vulneráveis.

Frisou que estes ideais ainda não foram concretizados por causa das vicissitudes históricas, como “a guerra e má governação do país”.

 O palestrante recomendou a inclusão da poesia de Agostinho Neto como literatura obrigatória no ensino secundário, médio e no Curso Superior de Letras.

A palestra foi promovida pelo Governo Provincial de Luanda e contou com a participação de estudantes, militares e membros da Comissão de Moradores do Kilamba Kiaxi.

Leia também