Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

14 Setembro de 2018 | 14h27 - Actualizado em 14 Setembro de 2018 | 14h27

Responsável pede mais comunicação entre instituições e munícipes de Cacuaco

Luanda - O administrador adjunto para Política Social e Comunidades do município de Cacuaco, Tomás Bica, apelou que responsáveis das instituições publicas tenham mais comunicação com os munícipes sobre os projectos em execução para evitar especulações entre os populares.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Tomás Bica fez este pronunciamento à imprensa, depois de uma visita as obras dos sectores da saúde, educação e do meio ambiente em execução nos distritos dos Mulenvos de Baixo, Cacuaco e Funda.

Na jornada realizada em companhia de alguns membros do partido UNITA, Tomás Bica, passou pelos Postos Médicos dos Mulenvos de Baixo, do Kifangondo e para verificar a questão do abastecimento de água nos bairros do Cuta, Hengue, Kilunda e da Terra Branca.

O responsável lamentou o facto da escola 4021 do bairro da Vidrul, em reabilitação, não possuir uma placa com a informação necessária, levantando especulações se pertence a administração ou foi vendida a um particular.

Para o efeito, informou que administração municipal de Cacuaco está a trabalhar numa governação de proximidade sob o lema “todos juntos somos capazes e todos juntos somos capazes de fazer Cacuaco crescer”.

Por sua vez, o representante da UNITA, Diniz Manuel, disse à imprensa que foi uma visita de esclarecimento e augura que doravante a administração de Cacuaco continue a trabalhar com os partidos políticos para o bem-estar das comunidades, no âmbito da administração participativa.

A jornada de campo teve como objectivo esclarecer as acusações feitas por alguns militantes da UNITA, segundo as quais o posto médico dos Mulenvos de Baixo não funciona e o fornecimento de água potável é feito apenas para os militantes do MPLA no bairro Belo Monte, sector 1.

Leia também