Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

02 Fevereiro de 2019 | 13h06 - Actualizado em 02 Fevereiro de 2019 | 13h32

Chuva alaga ruas e mais de 700 residências em Luanda

Luanda - Setecentas e 11 residências inundadas, algumas escolas, centros e postos médicos alagados, assim como ruas intransitáveis, mas sem o registo de vítimas humanas, são o resultado da chuva que caiu durante sete horas na sexta-feira (1), na província de Luanda, segundo dados provisórios divulgados hoje, sábado.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Uma zona alagada (Arquivo)

Foto: João F. Cuti

 Segundo o comando provincial do Serviço Nacional de Protecção Civil e Bombeiros (SNPCB), as zonas mais afectadas pela chuva, que começou as 11h e terminou as 17 em algumas zonas da província, foram o Nova Vida, com acentuada dificuldade na mobilidade rodoviária, Palanca, Cidade Universitária e golfe (Kilamba Kiaxi).

Situação idêntica verificou-se nos bairros da Camuxiba, Sambizanga, bairro operário (município de Luanda), bairro Kawelele, Futungo de Belas (Belas) e algumas zonas do Cazenga.   

Durante o encontro de balanço, orientado pelo governador de Luanda Sérgio Rescova, fez-se referência as dezenas de residências, construídas junto das bacias de retenção Tio Jingongo e Tio Kimbundu, em eminência de desabamento, no município do Cazenga.

Os responsáveis dos bombeiros, que lamentam não possuir técnicos especializados para acudir a população afectada, afirmam que a preocupação continua a ser a construção de residências nas linhas de água, junto das valas e a falta de desassoreamento destas (valas), que têm causado inundações das vias e das próprias habitações.

Já os Serviços Comunitários do Governo Provincial de Luanda, como medida de prevenção, desassorearam, em Janeiro, as valas de drenagem do Malueca, Olímpio Macuéria, Porto pesqueiro, Zango, Kifica e Cazenga Cariango.     

Segundo ainda os Serviços Comunitários, a dificuldade de circulação rodoviária, em várias ruas e avenidas das zonas periféricas, deveu-se ao transbordo das águas, a partir das bacias de contenção, bem como as grandes quantidades de lixo arrastadas pelas aguas da chuva.

Entretanto, equipas dos bombeiros e de  técnicos das administrações municipais e distritais continuam a trabalhar na limpeza e sucção das águas estagnadas nas ruas alagadas e instituições inundadas, com destaque para as escolas, centros e postos médicos.

Um representante do Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica (INAMET), disse no encontro, que a chuva que caiu em Luanda na sexta-feira (dia 01), foi moderada e que na próxima semana poderá ocorrer ainda chuva moderada, fraca ou chuvisco em algumas localidades da província.

Com mais de seis milhões de habitantes, fazem parte da província de Luanda os municípios de Luanda, Cazenga, Cacuaco, Viana, Belas, Icolo e Bengo e Quiçama.

Assuntos Chuvas   Província » Luanda  

Leia também
  • 01/02/2019 23:36:45

    Deputados da UNITA sugerem aumento dos postos de identificação

    Luanda - Deputados do grupo parlamentar da Unita manifestaram-se preocupados, face as enchentes que se registam nos postos de Identificação Civil e Criminal no município de Viana, em Luanda, e sugerem o aumento de mais serviços para se atenuar a demanda.

  • 01/02/2019 12:27:43

    Chuva causa dois mortos na aldeia de Chinquendula

    Chinguar - Duas pessoas morreram em consequência da forte chuva que caiu quinta-feira, na localidade de Chiquendula, município do Chinguar, 75 quilómetros a Oeste da cidade do Cuito, província do Bié.

  • 31/01/2019 13:37:17

    Maior parte dos incêndios é causado por negligência

    Luanda - Cinquenta e um incêndios dos 72 registados, em Luanda, durante o mês de Janeiro deste ano, foram provocados por negligência, menos cinco em relação ao mesmo período de 2018.