Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

05 Dezembro de 2019 | 17h05 - Actualizado em 06 Dezembro de 2019 | 10h28

Aberto processo-crime contra responsáveis da IURD

Luanda - O director do Gabinete de Comunicação e Imprensa do Ministério do Interior, Waldemar José, anunciou nesta quinta-feira, em Luanda, a abertura de um processo-crime contra responsáveis da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD).

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Subcomissário Waldemar José, Director do GCII do Ministério do Interior

Foto: António Escrivão

De acordo com o oficial da Polícia Nacional, o processo surge na sequência de denúncias feitas de práticas ilícitas e criminais.

Inicialmente, explicou, a corporação investigava dois processos-crime que evoluíram para um unificado, como resultado de denúncias anónimas apresentadas em Janeiro último e das recentes denúncias públicas feitas por pastores e bispos da igreja. 

Informou que estão a ser efectuadas diligências policiais para aferir a veracidade dos factos denunciados, alguns dos quais atentam contra a pessoa humana, crimes de branqueamento de capitais, entre outros ilícitos.

A 28 de Novembro, um grupo de bispos e pastores anunciou a ruptura com o bispo Edir Macedo (líder da igreja), por alegadas práticas doutrinais contrárias à religião, como a exigência da prática de vasectomia, além da evasão de divisas para exterior.

Um comunicado assinado por mais de 300 bispos e pastores angolanos denuncia que, nos últimos 12 meses, a liderança brasileira, por orientação de Edir Macedo, passou a "forçar os pastores angolanos a submeterem-se ao processo de vasectomia".

A propósito, a Procuradoria-Geral da República (PGR) anunciou que está a investigar, já há algum tempo, as denúncias de castração química e vasectomia de que são, eventualmente, submetidos alguns pastores da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) em Angola.

O vice-procurador-geral da República, Mota Liz, afirmou que “já corre um processo de uma denúncia de caso de castração química em tempos idos. E esse processo corre o seu trâmite normal”.

A PGR acredita terem surgido “novos elementos” que, certamente, serão levados a apreciação, objectivo de trabalho e investigação.  

Ainda assim, incentivou que sempre que as pessoas tomarem nota de um facto criminal devem participar, mesmo por meios oficiosos, na PGR, que está aberta para investigar, esclarecer e, se tiver factos, introduzir a juízo.

Já a direcção da Igreja Universal declara que se trata de uma "rede de mentiras arquitectadas por ex-pastores desvinculados da instituição, por desvio moral de condutas e até criminosas, com o único objectivo de terem a sua ganância saciada".

A Igreja Universal do Reino de Deus em Angola é uma instituição religiosa de direito angolano, registada no Ministério da Justiça, sob o número 26, e publicado no Diário da República em 17 de Julho, I Série, número 28. 

Assuntos Religião   Sociedade  

Leia também
  • 05/12/2019 17:46:48

    Trabalhadores da RNA desistem da greve

    Luanda - A greve dos trabalhadores da Rádio Nacional de Angola (RNA), que seria convocada esta quinta-feira (5), foi anulada depois de uma reunião do núcleo sindical, onde ficou patente a regularização de todas as questões pendentes no Caderno Reivindicativo até 15 de Janeiro de 2020.

  • 05/12/2019 15:53:39

    Igreja Kimbanguista adapta funcionamento

    Luanda - A Igreja de Jesus Cristo sobre a Terra (Kimbanguista) está a adaptar o seu funcionamento à Lei 12/19 (Lei da Liberdade de Culto e Religião) de 14 de Maio e tem capacitado os responsáveis para evitar interpretações erróneas das normas.

  • 05/12/2019 14:39:34

    Diplomata inglês destaca avanços na liberdade de imprensa

    Luanda - O primeiro secretário da embaixada do Reino Unido em Angola, Nathan Dann, destacou nesta quinta-feira, em Luanda, os progressos alcançados em Angola no domínio da liberdade de imprensa, ao mesmo tempo que espera melhorias com a previsão da aprovação do novo Pacote Legislativo sobre a Lei de Imprensa.