Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

08 Março de 2019 | 20h38 - Actualizado em 08 Março de 2019 | 20h38

Reconhecido papel da mulher angolana no desenvolvimento do país

Uíge - O papel desempenhado pela mulher angolana para o desenvolvimento do país nos vários sectores e o sacrifício consentido para à conquista da independência nacional foi reconhecido, hoje, sexta-feira, pelo director do Gabinete de Desenvolvimento Economico do Governo do Uíge, Joaquim Gimbe, no acto provincial alusivo ao 8 de Março, Dia Internacional da Mulher.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

De acordo com o responsável, que recordou a importância da mulher na família e sociedade, o governo provincial continuará a implementar projectos virados para a plena emancipação da classe feminina, em particular as do meio rural, tendo acrescentado ser importante que actuem com maior sentido de responsabilidade no mundo do trabalho, na política e noutros domínios.

Para Joaquim Gimbe, que representou o governador Pinda Simão no evento, “hoje a mulher contribui activamente na actividade produtiva, intelectual e política da sociedade, lado a lado, com o homem, buscando uma igualdade baseada no respeito e no reconhecimento do seu papel que, cada vez mais, deve ser valorizado”, sustentou.

Por razões históricas, em Angola, a emancipação da mulher esteve sempre ligada à luta contra a ocupação colonial, cada uma delas na sua época, “tornaram-se símbolos de resistência, lutando pela paz e libertação do povo”, assim como dentro dos movimentos de libertação, aonde deram também à sua contribuição, disse referindo-se a Rainha Nginga Mbandi, a profetisa Kimpa Vita e outras heroínas.

Na ocasião, recordou que, actualmente, fruto desta luta, existem já mulheres embaixadoras, governadoras, directoras, administradoras, gestoras de cargos públicos e ocupando cargos de responsabilidade no aparelho de Estado, tendo exemplificado áreas da governação local cujos lugares são ocupados por senhoras.

 Joaquim Gimbe reconheceu que apesar das conquistas, as mulheres ainda enfrentam algumas dificuldades, mas, acredita que existe a esperança para a construção de uma Angola nova, próspera e feliz para todos, aonde os desafios serão ultrapassados no âmbito da melhoria das condições de vidas das populações e combate à pobreza, tendo exortado as mulheres a continuar a contribuir para o progresso do país e melhoria das suas acções profissionais.

A directora do Gabinete Provincial da Acção Social, Família e Igualdade do Género, Viliana Bunga , recordou à trajectória  histórica da mulher para a sua emancipação, tendo feito referências ao caso das operárias incendiadas a 8 de Março de 1875, em Nova Iorque, Estados Unidos da América (EUA), por revindicarem melhores condições laborais e redução da hora de trabalho.

Viliana Simba Bunga falou igualmente sobre a luta das mulheres angolanas para a integração social, reafirmando que o governo do Uíge continuará a desenvolver projecto para a plena emancipação da camada feminina, apesar das dificuldades financeiras enfrentadas, com prioridade para as localidades mais necessitadas, sobretudo as do meio rural.

Durante a festa, realizaram-se duas palestras, a primeira subordinada ao tema, “A Educação em Género”, proferida pela Presidente do Conselho de Administração da Empresa de Água e Saneamento do Uíge, Emília Dias Fernandes, e “Os Direitos Humanos”, orientada pela responsável do Departamento de Administração de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania, da direção Provincial do referido pelouro.

Participaram das festividades mulheres de diversos estratos sociais, religiosas, representantes da sociedade civil, da Policia Nacional, Forças Armada Angolana (FAA), membros de Organizações Não-governamentais, entre outras entidades convidadas para o evento, que teve igualmente momentos culturas.

Leia também