Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

13 Março de 2019 | 18h55 - Actualizado em 13 Março de 2019 | 18h54

Polícia responsabiliza agente que alvejou mortalmente vendedora ambulante

Luanda - A Polícia Nacional anunciou, nesta quarta-feira, que vai responsabilizar civil e criminalmente o agente acusado de alvejar mortalmente uma vendedora ambulante de 28 anos de idade, na última terça-feira, na zona do Rocha Pinto, em Luanda.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Em comunicado, a corporação informou que, além do agente, serão responsabilizados o comandante da esquadra e o chefe de equipa.        

Estes dois últimos também serão alvos da medida de despromoção.

Os mesmos faziam parte de uma equipa escalada para manter a ordem e tranquilidade públicas na zona do Rocha Pinto.

A acção saiu do controle depois de o agente atingir mortalmente a cidadão, gerando revolta na população que se insurgiu contra os agentes e protagonizou actos de vandalismo.

Durante o tumulto, houve vandalização de viaturas e outros bens públicos, que originaram a interdição da Avenida 21 de Janeiro.

A situação só foi controlada quatro horas depois, com o reforço de agentes da Polícia de Intervenção Rápida.

Segundo relatos de testemunhas no local, a corporação efectuou disparos de arma de fogo para dispersar a população, que teriam resultado em mais de uma morte. A Polícia nega esses números.

A corporação informa que o tumulto resultou em apenas uma morte, sublinhando que, durante o tumulto, foram detidos 21 cidadãos,  com idades compreendidas entre 16 e 47 anos de idade.

Informa que os presumivelmente envolvidos nos actos de vandalismo  devem ser presentes ao Tribunal, para julgamento sumário, sem especificar as datas.

De acordo com a Polícia Nacional, foi instaurado um inquérito e  processo crime para determinar as causas do incidente, com o propósito de responsabilizar todos os culpados.

Sustenta que as orientações emanadas pela Direcção do Comando Geral da Polícia Nacional não se coadunam com o recurso de  armas de fogo como primeira medida para o controlo das incivilidades e transgressões administrativas, mas sim, como último recurso, quando estão em causa a vida e a integridade física de Agentes da Autoridade e cidadãos.  

A Polícia Nacional apela a todos os cidadãos a manterem a calma, a não enveredarem por qualquer acto que coloca em causa a ordem e tranquilidade públicas, bem como denunciarem toda e qualquer conduta criminosa.

Nos últimos temos, tem sido recorrente situações de afrontamento a polícias, pelas vendedoras, que já resultaram em outras mortes.

A Polícia tem aberto vários inquéritos para apurar a responsabilidade dos seus agentes.

Desde Dezembro último, a polícia tem desencadeado várias acções para repor a ordem e resgatar os valores morais, no quadro da operação resgate.

Assuntos Polícia Nacional   Sociedade  

Leia também
  • 13/03/2019 11:50:30

    Taxistas alteram preço de corrida por alegada escassez de combustível

    Mbanza Kongo - Os automobilistas que exercem a actividade de táxi na cidade de Mbanza Kongo, capital da província do Zaire, aumentaram desde o princípio desta semana o preço de corrida de 100 para 200 Kwanzas, por alegada escassez de gasolina.

  • 13/03/2019 10:28:55

    FAS apoia agentes comunitários com bens diversos

    Mbanza Kongo - Um programa de apoio a agentes de desenvolvimento comunitário e sanitário (adecos) na província do Zaire, começou a ser implementado no princípio desta semana, pelo Fundo de Apoio Social (FAS).

  • 13/03/2019 07:02:52

    Moxico: PN deteve cidadão com mais de dois mil dólares falsos

    Luena - Um cidadão que transportava dois mil e 800 dólares americanos, supostamente falsos, foi detido no dia 10 deste mês, pelas autoridades policiais no município fronteiriço do Luau, indica uma nota da corporação entregue terça-feira à Angop, no Luena.