Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

10 Abril de 2019 | 14h55 - Actualizado em 10 Abril de 2019 | 14h54

Ascofa revitaliza cooperativas

Luanda - A Associação de Apoio aos Combatentes das ex-FAPLA (Ascofa) vai revitalizar, nos próximos cinco anos, as 80 cooperativas dos seus associados e criar condições que visem o bem-estar socioeconómico, informou nesta quarta-feira, o Presidente do Conselho de Administração, Caetano António Marcolino.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Caetano António Marcolino (Arquivo) Presidente Da ASCOFA

Foto: Alberto Julião

Referiu que das cooperativas existentes em todo o país apenas estão em funcionamento as localizadas nas províncias de Cabinda, Benguela, Cuanza Sul, Uíge e Zaire.

O responsável fez este pronunciamento quando apresentava o balanço das acções desenvolvidas durante os primeiros três meses desde a sua eleição, tendo referido que para levar a cabo esta acção precisa numa primeira fase de 50 milhões de dólares.

Salientou que a nova direcção da Ascofa está a encetar contactos com  instituições  bancárias e com organismos do Executivo com vista a adquirir este montante.

Caetano Marcolino frisou que a associação tem como plano de acção, para o período 2019-2024, a criação de condições de inclusão social no domínio socioeconómico, político e cultural, para os ex-militares, viúvas e órfãos de guerra, assim como mobilizar os seus associados para integração nos projectos de desenvolvimento.

Criar acordos com instituições a nível local, provincial e internacional para apoios de conhecimentos, logística e facilitar a  implementação nas áreas de desenvolvimento, efectuar estudos de viabilidade detalhados para testar a sustentabilidade dos projectos criados, constituem outras acções preconizadas.

Apontou como áreas de actuação a agricultura, indústria transformadora e derivados, pesca e aquicultura, extracção da madeira, exploração de inertes, turismo, construção civil e obras públicas, educação e formação académica, alfabetização, entre outras.

Questionado sobre a problemática habitacional, o responsável  afirmou que os acordos rubricados pela antiga direcção para a construção de residências não passaram do papel, pelo que se pretende encetar novos contactos com outros organismos no sentido de solucionar paulatinamente esta questão.

Pretende-se com esta acção obter linhas de crédito para a promoção e apoio ao empresariado, criar  programas de formação empresarial, incluindo a alfabetização  e a dinamização  dos circuitos  de comercialização local e provincial.

Esta é a segunda direcção que dirige a ASCOFA após 17 anos da sua criação.

A Ascofa, fundada a 1 de Agosto de 2001, conta actualmente com 86 mil associados, e tem como objectivo principal proporcionar a assistência e reintegração social dos militares da ex-FAPLA.

Assuntos Angola   Sociedade  

Leia também
  • 10/04/2019 14:17:57

    SADC lança apelo para assistência às vitimas do ciclone Idai

    Luanda - Um apelo regional de assistência humanitária para acudir as populações de Moçambique, Malawi e Zimbabwe, países afectadas pelo ciclone tropical Idai, será lançado quinta-feira (11), em Windhoek, Namíbia.

  • 10/04/2019 14:14:49

    Ministra orienta acto central do dia da Juventude

    Saurimo - A ministra da Juventude e Desportos, Ana Paula Sacramento, trabalha desde hoje (quarta-feira), em Saurimo, província da Lunda Sul, onde vai orientar sábado, 13, o acto central alusivo às comemorações do Dia da Juventude, a assinalar-se domingo (14 de Abril).

  • 09/04/2019 12:57:02

    IRSEM prevê reintegrar 117 mil pessoas até 2022

    Luanda - Cento e dezassete mil é o número de pessoas que o Instituto de Reintegração Sócio-Profissional dos Ex-Militares (IRSEM) prevê reintegrar até 2022 no país, disse hoje (terça-feira), em Luanda, o director-geral, Domingos André Tchikanha.