Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

21 Junho de 2019 | 19h55 - Actualizado em 21 Junho de 2019 | 22h35

Líderes mundiais clamam por justiça social

Genebra - A centésima oitava sessão da Conferência Internacional do Trabalho (CIT) encerrou esta sexta-feira, em Genebra, com um apelo aos governos e empregadores no sentido da prossecução da justiça social e da promoção de uma paz duradoira.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Ministro da administração pública, trabalho e segurança social, Jesus Maiato.

Foto: NELSON MALAMBA/ARQUIVO

Os Chefes de Estado e de Governo participaram da também designada “Conferência do Centenário” da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Nas suas conclusões os líderes mundiais admitiram que apesar dos progressos realizados na criação de condições de trabalho verdadeiramente humanas, ainda persiste a pobreza, a desigualdade social, injustiças, bem como fragilidades e conflitos em muitas partes do mundo.

Segundo sublinharam, esses constrangimentos colocam em risco os progressos já alcançados, exigindo, para o efeito, uma “resposta urgente” para se assegurar a prosperidade comum e o trabalho digno para todas as pessoas.

Inspirados pelos objectivos, finalidades e princípios estabelecidos na Constituição da OIT e na Declaração de Filadélfia, os Chefes de Estado e de Governo convergiram no imperativo de se agir com urgência para o aproveitamento de todas as oportunidades para a construção de um futuro do trabalho mais justo, inclusivo e mais seguro, com pleno emprego e dignidade para todos.

Para o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, que proferiu o discurso do encerramento, a OIT deve transpor para o seu segundo século de existência, com uma determinação inabalável, o seu longo mandato ao serviço da justiça social,

António Guterres defendeu que se deve fazer dos direitos, necessidades e aspirações das pessoas os objectivos das políticas económicas, sociais e ambientais a abordagem ao futuro do trabalho centrado no ser humano.

Na sua intervenção, disse ainda que os seres humanos, independentemente da sua raça, crença ou sexo, têm o direito de efectuar o seu progresso material e desenvolvimento espiritual em liberdade e com dignidade, com segurança económica e oportunidades iguais.

A 108ª sessão da Conferência Internacional do Trabalho (CIT) reuniu em Genebra mais de 50 Chefes de Estado e de Governo.

Angola participou do evento com uma delegação ministerial, chefiada pelo ministro da Administração Pública, Trabalho e Segurança Social, Jesus Faria Maiato, integrada, ainda, pelo secretário de Estado do Trabalho e Segurança Social, Manuel Jesus Moreira.

A representante permanente de Angola junto do Escritório das Nações Unidas e demais Organizações Internacionais em Genebra, Margarida Rosa da Silva Izata, assumiu a vice-presidência da 108ª Conferência Internacional do Trabalho (CIT), órgão máximo de decisão da OIT, destinada a regulamentar, fiscalizar, estudar e avaliar as relações de trabalho existentes em todo o mundo.

Segundo Margarida Izata, a cooperação tripartida por via do diálogo social entre governos e organizações de empregadores e trabalhadores constitui a base essencial de todas as acções da OIT e do sucesso das políticas e decisões adoptadas nos seus países membros.

Para a embaixadora, é necessária a promoção da aquisição de competências para todos os trabalhadores em todas as fases da sua vida profissional.

Segundo responsável, essa será a melhor forma de se colmatar as lacunas de competências existentes e previstas, dedicando especial atenção à harmonização dos sistemas de ensino e formação com as necessidades do mercado de trabalho.

Assuntos Angola   Justiça  

Leia também
  • 21/06/2019 16:12:13

    Angolanos reforçam solidariedade com as vítimas da seca

    Luanda- A onda de solidariedade para com às vítimas da seca no sul de Angola (Namibe, Huíla e Cunene) continua a mobilizar os cidadãos angolanos, com a promoção de campanhas de recolha de diversos bens alimentares e outros produtos de uso doméstico.

  • 21/06/2019 13:25:07

    Masfamu quer nova dinâmica no combate à pobreza

    Luanda - A ministra da Acção Social, Família e Promoção da Mulher, Faustina Inglês Alves, destacou, nesta sexta-feira, em Luanda, a necessidade de uma nova dinâmica na fiscalização e acompanhamento do programa de combate à pobreza.

  • 20/06/2019 16:17:06

    Jornalista Albino Carlos cessa funções na ERCA

    Luanda - O jornalista Albino Carlos cessou, nesta quinta-feira, a função de conselheiro da Entidade Reguladora da Comunicação Social Angolana (ERCA), onde representou a União dos Jornalistas Angolanos (UJA) cerca de ano e meio.