Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

06 Julho de 2019 | 18h03 - Actualizado em 08 Julho de 2019 | 10h39

Governo reduz gastos com cadastramento de antigos combatentes

Luanda - O Governo angolano está a poupar mais de três mil milhões de kwanzas/ano com o processo de cadastramento dos antigos combatentes e veteranos da pátria, cujo processo permitiu excluir das folhas de salário falsos pensionistas.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Domingos André Tchikanda - Secretário de Estado dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria

Foto: Francisco Miudo

Está afirmação foi feita hoje, sábado, em Luanda, pelo secretário de Estado dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria, Domingos Tchikanda, quando orientava um acto que marcou o início do processo de recadastramento dos antigos combatentes e veteranos da pátria.

Segundo o responsável, o processo de cadastramento permitiu detectar e excluir das folhas de salário 12 mil 451 falsos pensionistas.

Detalhou que no início do processo de cadastramento dos pensionistas, o Ministério dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria tinha registado a nível nacional 174 mil 837 assistidos, dos quais apenas 162 mil e 300 foram apurados, uma diferença de 12 mil 451 que permitiu poupar aos cofres de Estado cerca de 270 milhões 521 mil 216, 20 kz por, mês.

“Há uma diferença astronómica entre aquilo que o Estado pagava e o que esta a pagar. Com esta poupança, o Estado poderá melhorar o atendimento dos verdadeiros antigos combatentes”, ressaltou.

Informou que o processo de recadastramento e prova de vida dos antigos combatentes, deficientes de guerras e familiares é de âmbito nacional e vai decorrer nas capitais provinciais e nos municípios, podendo, caso seja necessário, estender-se às comunas.

Considerou que a pertinência e a urgência do processo de recadastramento dos antigos combatentes resulta da necessidade de se conferir qualidade nas despesas públicas para a classe, visto que ainda há cidadãos com este legítimo direito que podem vir a beneficiar da pensão de mérito.

Leia também