Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

18 Julho de 2019 | 12h38 - Actualizado em 18 Julho de 2019 | 13h42

Huambo lidera mortes por afogamento em cacimbas

Luanda - Cerca de 50 a 100 pessoas morrem anualmente por afogamento em cacimbas na província do Huambo, informou hoje, quinta-feira, em Luanda, o Comandante-Adjunto do Serviço Nacional de Protecção Civil e Bombeiros, José Horácio da Silva.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Comissário-Bombeiro José Horácio da Silva, Comandante Adjunto dos Serviços de Protecção Civil e Bombeiros.

Foto: Nelson Malamba

Só no primeiro semestre deste ano, a província do Huambo registou com 60 casos. Em 2018 foram 99 mortes por afogamento.

As províncias do Bié, Benguela e Bengo seguem-se nessa lista, pelo que, com vista a mudar esse cenário, o responsável fez saber que está a ser elaborado um programa, actualmente em fase de conclusão, para ser remetido a direcção da Comissão Nacional de Protecção Civil e Bombeiros para a sua efectivação.

O plano visa, principalmente, a redução de mortes, tendo em conta que as cacimbas são, maioritariamente, construídas nos quintais da residências sem a devida protecção (tampa).  

Esta informação foi prestada à margem do 1º Seminário Metodológico Nacional dos Órgãos de Resgate e Salvamento, lembrando que, em termos gerais, Luanda lidera a lista de afogamentos, sendo necessário o aumento do número de efectivos para o controlo na orla marítima, assim como mais torres para os salva-vidas.

O Serviço de Protecção Civil e Bombeiros (SNPCB) registou 526 mortes na época balnear 2018/2019 em todo país, menos 29 em relação a igual período anterior, de um total de 734 ocorrências diversas (-265).

O seminário, de um dia, tem como objectivo estabelecer uma plataforma padronizada das acções de resposta as ocorrências, com envolvimento e o engajamento das partes interessadas por uma actuação entre vários sectores estratégico, táctico e operacional.  

O país regista maior susceptibilidade e perigosidade em relação as ameaças de inundações, secas, calemas, erosão costeira, deslizamento de terra, epidemias, descargas atmosferas e acidentes de viação.  

Face a estas questões foi criado um novo regulamento aprovado pelo decreto presidencial nº 185/17 de 11 de Agosto, com um novo paradigma no contexto de atribuições, funcionamento e composição dos seus serviços executivos centrais.  

O novo regulamento determina que o então departamento de prestação de serviços a náufragos, ascendeu a categoria de direcção nacional, passando a designar-se Direcção de Resgate e Salvamento.  

Este exercício vai ajudar a elaborar os protocolos operacionais baseados na análise e estudo das principais ameaças que tem vindo a realizar com a base de dados, permitindo o desenho de estratégias, políticas e quadros nacionais, para o aumento e melhoria da capacidade de resposta.  

Assuntos Sociedade  

Leia também
  • 18/07/2019 03:37:40

    Executivo prevê transferir competências do PIDLCP aos municípios

    Malanje - O Executivo prevê transferir as competências da implementação das acções do Programa Integrado de Desenvolvimento Local e Combate à Pobreza (PIDLCP) aos municípios, para permitir mais autonomia e celeridade na sua execução.

  • 17/07/2019 21:40:09

    Projecto "Eu e o autista" beneficia quinze crianças

    Ndalatando - Quinze crianças portadoras da síndrome de autismo e respectivas famílias estão inseridas num projecto de assistência social denominado "Eu e o autista" na cidade de Ndalatando, província do Cuanza Norte, promovido pela Associação Juvenil Amigos dos Amigos (AJAA).

  • 17/07/2019 14:44:27

    Moxico recebe sete toneladas de produtos para vítimas da seca

    Luena - Sete toneladas de produtos diversos angariados pela Emissora Provincial da Rádio Nacional de Angola (RNA), no Moxico, foram hoje (quarta-feira), no Luena, entregues ao governo provincial, para serem enviadas às pessoas vítimas da seca no sul do país.