Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

16 Julho de 2019 | 14h01 - Actualizado em 16 Julho de 2019 | 15h47

Primeira-Dama destaca educação como factor de desenvolvimento

Luanda - A primeira-dama de Angola, Ana Dias Lourenço, defendeu segunda-feira, em Nova Iorque (EUA), que a educação continua a ser o objectivo fundamental para superar barreiras e melhorar as oportunidades de vida das pessoas de todas as idades e origens.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Nova Iorque: Primeira Dama da República de Angola, Ana Dias Lourenço, na cimeira da sede das Nações Unidas nos Estados Unidos da América

Foto: Foto cedida

Ana Dias Lourenço intervinha na 2ª reunião do Grupo de Mulheres Líderes pela Igualdade do Género, que destacou como tema o “Empoderamento das mulheres como elemento chave em prol do desenvolvimento sustentável”, numa iniciativa da presidente da 73ª Sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas, Maria Fernanda Espinosa Garcés. A primeira reunião aconteceu em Janeiro deste ano.

Nesta base, partilhou que no domínio do empoderamento feminino, o Governo de Angola tem como prioridade melhorar a qualidade do sistema de educação, para reforçar a capacidade das mulheres, em particular das jovens, a fim de permitir a sua participação activa em todos os aspectos da vida da sociedade.

Disse haver, igualmente, da parte do executivo a perspectiva que abrange a inclusão escolar, a igualdade do género no acesso ao ensino a todas as meninas e meninos, assim como desenvolvem-se programas para erradicar o analfabetismo como factor principal de desenvolvimento humano, considerando também como um meio de combate a pobreza.

Exemplificou a sua plataforma, criada em Março de 2018, denominada “Transforme vida, seja mulher”, enquanto espaço direccionado à jovem mulher de vários extractos da sociedade, com o intuito de motivá-las a assumir o seu papel de agente de mudança e influência nas suas comunidades.

Nesta plataforma reflectem-se algumas questões actuais consideradas essenciais e que preocupam o quotidiano da jovem mulher angolana, como a saúde da mulher e a saúde mental, a economia doméstica, as finanças pessoais e o empreendedorismo, bem como o activismo social e político.

“Pretendemos com este espaço que estejamos todos juntos, sobretudo as jovens raparigas e rapazes, para que possamos partilhar ideias sobre o empreendedorismo”, afirmou Ana Dias Lourenço.

Foco na capacitação das mulheres

Falou igualmente de uma iniciativa denominada Muika, na língua nacional kimbundu, que em português significa “iluminar”, que é um espaço que liga e capacita as mulheres empreendedoras no desenvolvimento do seu negócio.

Informou que a nível da sociedade civil e com a participação de outros organismos, realizar-se-á, ainda este ano, um fórum de empreendedorismo feminino, onde, durante uma semana, a cidade capital (Luanda) vai acolher o maior encontro de mulheres empreendedoras dos diferentes sectores de Angola.

Também falou da previsão de uma semana global de empreendedorismo, sob o lema “Empodera uma mulher, transforma Angola”, que decorrerá em Novembro.

Fez saber que esses exemplos sobre empreendedorismo e desenvolvimento sustentável realçam a força e o poder de mobilizar e capacitar a mulher para que, efectivamente, os seus anseios sejam uma realidade.

Firsou que, em Angola, há muitas empresas criadas e presididas por mulheres e que têm despertado algum interesse por causa dos produtos que colocam no mercado, que são inovadores e também com um grande impacto social.

A primeira-dama ressaltou a importância e o papel que o empreeendedorismo feminino pode desempenhar no desenvolvimento económico, na difusão da inovação, na criação de emprego e na transformação e sustentabilidade tanto da economia informal, como nas economias local e rural.

“Hoje, já se está para além do reconhecimento de igualdade de direitos cívicos e políticos ou de direitos económicos e sociais. A igualdade de género está cada vez mais presente na vida familiar, no combate ao assédio e violência contra as mulheres, mas também na vida política e, fundamentalmente, na vida empresarial, onde são cada vez mais frequentes os casos de mulheres líderes ou dirigentes de empresas de todas as dimensões e sectores”, frisou.

De acordo com Ana Dias Lourenço, estudos realizados por instituições como o Banco Mundial, evidenciam o papel das mulheres na diversificação da economia e na redução da pobreza, quer nos países em desenvolvimento, nos mais industrializados, como na procura e implementação de soluções inovadoras para os problemas de gestão.

Um longo caminho a percorrer

Sublinhou, todavia, que apenas 30% de negócios e empresas dos países da OCDE são detidos por mulheres, o que significa haver ainda um caminho duro a percorrer.

Disse, igualmente, notar-se que as mulheres, quando apostam num percurso de empreendedorismo, começam por negócios de menos dimensão e num número mais reduzido de sectores.

Normalmente, ganham menos 30 a 40%  do que os homens, mas desenvolvem melhores oportunidades em actividades novas de pequena e média dimensão, dando um forte contributo para a diversificação e desenvolvimento de iniciativas ambientalmente mais sustentáveis.

A primeira-dama considerou, porém, que as mulheres empreendedoras enfrentam diversas dificuldades, sendo as mais frequentes o acesso ao crédito e ao capital, ambiente de negócio mais restritivo, regulação de negócios mais desfavoráveis, barreiras culturais e preconceituosas sobre a mulher empresária, assimetrias a informação económica e de negócios, segregação educacional e profissional, dificuldade em conciliar vida familiar com vida empresarial e a própria fragilidade do movimento associativo das mulheres empresárias.

Assim, apontou como prioridades para o desenvolvimento de um empreendedorismo sustentável o estabelecimento de redes de informação para as mulheres empreendedoras, tanto a nível nacional como internacional, a necessidade de se promover e divulgar a troca de experiências, conhecimentos e inovação de boas práticas femininas, a criação de redes online de apoio técnico de gestão e contabilidade a mulher empreendedora, o combate à segregação horizontal (nos sectores da ciência e tecnologia, de educação, formação e sociais, entre outras).

Assuntos Educação   Mulheres   Sociedade  

Leia também
  • 16/07/2019 14:59:58

    PIIM contempla construção de escolas em Cambambe

    Dondo - Dois biliões, 661 milhões, 526 mil e 426 kwanzas disponibilizados pelo governo, no âmbito do Programa de Integração e Intervenção nos Municípios (PIIM), serão investidos na construção, conclusão e apetrechamento de equipamentos sociais em Cambambe, Cuanza Norte.

  • 16/07/2019 14:14:49

    ERCA recomenda rigor na cobertura das actividades político-partidárias

    Luanda - A Entidade Reguladora da Comunicação Social Angolana (ERCA), recomendou mais rigor na cobertura das actividades político-partidárias, em obediência ao princípio constitucional segundo o qual os partidos têm de receber da imprensa um tratamento imparcial.

  • 15/07/2019 14:28:26

    Anciã morta supostamente pelo neto

    Saurimo - Uma anciã de 70 anos de idade, que residia no bairro Txizainga 2, em Saurimo (Lunda Sul), foi, supostamente, morta por um neto de 26 anos, informou hoje, segunda-feira, o Serviço de Investigação Criminal (SIC).