Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

25 Maio de 2020 | 22h23 - Actualizado em 25 Maio de 2020 | 22h23

Moradores da Centralidade do Lobito pedem serviços sociais

Lobito - Dois anos depois da abertura da Centralidade do Lobito, em Benguela, os moradores ressentem, até hoje, da falta de bancos comerciais, transportes públicos e lojas.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Centralidade do Lobito

Foto: cARLOS Benedito

Os habitantes da nova urbanização do Lobito queixam-se, ainda, do facto de as redes de telefonia móvel e Internet apresentarem problemas, tornando a comunicação muito difícil.

Para ter acesso as agências bancárias, os moradores da centralidade são obrigados deslocar-se ao bairro vizinho da Bela Vista, cerca de cinco quilómetros, onde estão concentrados os balcões do BPC, BFA, BIC e Banco SOL.

Paralelamente, quem não tem um veículo automóvel, gasta 600 kwanzas ida e volta, nos serviços de moto-táxi, partindo da rotunda à entrada do bloco C, o mais povoado de momento, tendo em conta que os táxis “azul e branco” não circulam dentro daquela localidade.

José da Silva, residente há cerca de um ano e meio, lamenta o facto de os moradores não vislumbrarem, até ao momento, nenhuma solução para a difícil situação que enfrentam, desde a entrega das primeiras casas, em Dezembro de 2017.

O cidadão, que falava à ANGOP, afirma que se corre o risco de um dia  alguém  precisar de socorro e não ser ajudado num destes troços da Centralidade, por não conseguir comunicar-se por telefone.

Francisco Gildo, outro morador, manifestou o seu descontentamento face à inexistência de serviços sociais básicos.

Em resposta às preocupações dos moradores, o administrador-adjunto da Centralidade do Lobito, Victor Chiteculo, esclareceu que a demora na instalação de serviços sociais deve-se à morosidade da resposta da Empresa de Gestão de Terrenos Infraestruturados, EGTI, responsável pelo loteamento e distribuição dos espaços baldios em todas as centralidades do país.

Ainda assim, Victor Chiteculo assegurou que a administração local manteve já contactos com o Banco Keve e a TV Cabo no sentido de expandirem os seus serviços àquela zona.

Depois da abertura de uma esquadra policial, um centro de saúde, três escolas, estão a tentar instalar uma unidade dos Serviços de Protecção Civil e Bombeiros e uma loja de registos de identificação.

Em relação ao transporte de pessoas e bens, sublinhou a construção em curso de um terminal de passageiros da empresa Rosalina Express, nos arredores da centralidade, para atender  também os bairros da Zona Alta.

A centralidade do Lobito alberga 856 vivendas e 2.144 apartamentos, divididos pelos aglomerados A, B, C, D e F.

Leia também
  • 25/05/2020 18:47:33

    Covid-19: PN apreende viaturas por especulação de preços

    Benguela - Sessenta e nove viaturas que faziam o serviço de táxi foram apreendidas pelo Comando Provincial da Polícia Nacional, em Benguela, nas últimas 72 horas, por encurtamento de rotas, especulação de preços e excesso de lotação.

  • 24/05/2020 17:34:28

    Covid-19: Administrador defende esquadra móvel nos mercados

    Chitato - O administrador municipal de Chitato, Lunda Norte, Gastão Cahata, defendeu hoje, sábado, a instalação de esquadras móveis nos mercados de Mussungue e Carinhenga, para garantir a observância das medidas de prevenção, visando o combate contra a Covid-19.

  • 24/05/2020 12:05:18

    Município de Cacula cadastra famílias para o Kwenda

    Lubango - A província da Huíla prevê cadastrar, no município de Cacula, numa primeira fase, mil famílias vulneráveis para serem inseridas no Programa de Transferências Sociais Monetárias "Kwenda".