Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

15 Agosto de 2020 | 16h55 - Actualizado em 15 Agosto de 2020 | 16h55

Covid-19 altera figurino das festas do Bié

Cuito - Por força da Covid-19, que assola o país, há seis meses, e o Bié, em particular, o Governo local flexibilizou o programa comemorativo do 85º aniversário da criação da província/edição 2020, que decorre de 15 a 31 deste mês em simultâneo nos municípios do Chinguar, Nhârea e Cuito.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Bié: Vista parcial da cIDADE DO CUITO

Foto: Angop

Ilustração do Covid-19

Foto: Divulgação

As datas festivas dessas três circunscrições coincidem nesse período (15 a 31) e são marcadas com homenagens à pessoas falecidas durante a guerra e outras actividades sócioculturais de curta duração.

A 15 de Agosto de 1965, Nharêa foi elevada a categoria de Conselho Administrativo, e a sua sede, a categoria de Vila, através da Reforma Administrativa Ultramarina do então regime colonial.

Já Chinguar, a 75 quilómetros a sudoeste da capital provincial, ascendeu à categoria de vila a 16 de Agosto de 1971, enquanto o Cuito ascendeu à cidade a 31 de Agosto de 1935, data que também marca a criação do Bié.

O programa festivo da efeméride decorre sob o lema " Bié, mais que uma província uma paixão", cuja abertura oficial acontece em Nharea, a 175 quilómetros a norte na cidade do Cuito, onde se encontra hoje, sábado, uma delegação chefiada pelo vice-governador para os Serviços Técnicos e Infra-estruturas, José Fernando Tchatuvela.

No Cuito, a data foi marcada com a deposição de uma coroa de flores no túmulo de um soldado desconhecido, no Cemitério Monumento, em homenagem aos Mártires da Resistência da Guerra do Cuito de 1993.

Igualmente, foi efectuada uma visita à “Ombala do Ekovongo”, sítio de interesse histórico nacional, a 18 quilómetros do Cuito, em actos orientados pelo vice-governador para área Política, Social e Económica, António Manuel.

Em declarações à ANGOP, o administrador municipal do Cuito, Abel Guerra Paulo, disse que em função do contexto, afastou-se do programa actividades melódicas e outras que forçariam aglomerados.

O responsável reforçou a necessidade do cumprimento obrigatório das medidas de biossegurança e o distanciamento social no decorrer das festas, que abarcam diversas actividades de curta duração.

Historial da cidade do Cuito

O Cuito, denominado anteriormente por Silva Porto, é um dos nove municípios da província do Bié e está situado no planalto central de Angola, a 82 quilómetros do centro geodésico do país (Camacupa).

Habitam na cidade do Cuito vários grupos etnolinguísticos, sendo a maior parte destes ovimbundos, em menor número os ovinganguelas, tchokwes, songos e outros, devido, em grande parte, do conflito armado que o país viveu.

A tradição dos povos desta região não se difere muito das outras localidades da província, caracterizada pelos usos e costumes e a gastronomia local, associando-se aos vários tipos de dança como Ocatita, Sawoia, Tchianda, Omenda, entre outras, bem como os seus rituais tradicionais.

 Reza a história que o distrito do Bié foi fundado em 1922 por Vié, no século XVIII, caçador de elefantes de origem Umbi, que depois de se instalar na região de Belo Monte tornou-se o soberano da região. Vié veio a chamar-se mais tarde de vila de Silva Porto, actual cidade do Cuito.

A Vila de Silva Porto, segundo fontes escritas, foi elevada à categoria de cidade pelo diploma legislativo nº 740 de 31 de Agosto de 1935, sob proposta dos habitantes, através do estatuto de vila, por ser uma região onde iniciaram as campanhas de penetração portuguesa com destino ao leste de Angola.

Antes da chegada dos portugueses nesta parcela do país, o tratamento das doenças era feito tradicionalmente. Em 1931 foi construído o Hospital Indígena (actual Hospital Provincial) que atendia somente pessoas que faziam parte da classe dos assimilados.

Anos depois, surgiram as missões do Camundogo e Chilonda (da Igreja Evangélica Congregacional de Angola) e a da Chanhora, pertencente à Igreja Católica, que contribuiu bastante na assistência sanitária à população local, bem como no processo de ensino e aprendizagem.

A cidade do Cuito regista melhorias significativas, com ruas e passeios reabilitados, residências em reabilitação, alguns jardins recuperados, iluminação pública e o fornecimento de água potável melhorados, fruto da implementação dos programas do Governo angolano.

A província do Bié, centro de Angola, conta com um milhão e 455 mil 255 habitantes, sendo na sua maioria mulheres com um universo de 763 mil 632, segundo os dados definitivos do Censo Geral da População e Habitação de 2014.

Assuntos Província » Bié   Sociedade  

Leia também
  • 15/08/2020 14:10:32

    Especialista alerta para perigos de construção junto aos canais de água

    Luanda - A construção de residências e estabelecimentos comerciais em zonas próximas aos canais de água poderá dificultar a implementação dos projectos de reforço da capacidade de abastecimento deste produto a Luanda.

  • 15/08/2020 12:06:23

    Mais de 50 projectos do PIP paralisados na Lunda Sul

    Saurimo - Cinquenta e sete projectos sociais inscritos no Programa de Investimentos Públicos (PIP), na província da Lunda Sul, estão paralisados desde 2019, por falta de financiamento.

  • 14/08/2020 21:02:10

    Covid-19: Juventude chamada a servir de exemplo

    Malanje - O segundo secretário provincial do MPLA em Malanje, Manuel Carvalho da Costa, exortou hoje (sexta-feira), nesta cidade, os jovens a servir de exemplo na luta contra à Covid-19, acatando as medidas preventivas e desenvolvendo acções de sensibilização comunitária.