Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

01 Outubro de 2020 | 18h22 - Actualizado em 01 Outubro de 2020 | 18h22

Huíla com défice no abastecimento de energia

Lubango - Com o surgimento de novos bairros nos municípios do Lubango, Matala, Chibia e Quipungo, na Huíla, a Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade (ENDE) está com um défice de 20 megawatts, que dura já quatro meses, mas que se intensificou em Setembro.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Huíla: Lauro Fortunado - director da ENDE

Foto: Riquelma dos Vaal

A necessidade de levar energia eléctrica para esses bairros e a falta de água na albufeira da barragem da Matala reduziu de 80 para 60 megawatts a potência de energia eléctrica gerada para a província, forçando a apertadas restrições de quatro horas em dias alternados.

A informação foi avançada hoje, quinta-feira, no Lubango, pelo director da ENDE, Lauro Fortunato, declarando que o défice acontece na medida que as redes vão se expandindo com o aparecimento de novas zonas que estão a ser electrificadas, como a Tchavola, Kwawa, Cristo Rei, zonas A, E e H do Nambambe e Mukanka (Lubango), Muquequete e Muvale (Matala) e Mavinga (Quipungo).

Disse que essa é a razão pela qual se tem verificado restrições selectivas, distribuindo energia intercalada, de forma a não prejudicar ninguém, mas existem zonas consideradas de carga essencial, que têm de ter energia todos os dias, como hospitais e centros emissores de comunicações.

Informou que no momento a necessidade da província é 120 mw, mas estão com uma capacidade que caiu de 80 para 60.

Avançou que alguns momentos têm verificado um nível baixo no caudal da albufeira da sua principal fonte de abastecimento, a barragem da Matala, sendo que algumas vezes apresenta limitações na geração, funcionado durante o dia com apenas uma máquina e um grupo gerador, que no período da noite tem de ser compensada.

“Há necessidade de retirar-se uma máquina para poder melhorar os níveis de água da albufeira e quando isso acontece agudiza-se mais a situação das restrições e é ai que a população sente mais impacto. Actualmente temos estado a restringir mais por conta dos níveis baixos da albufeira”, reafirmou.

A ENDE na Huíla conta com um universo de 86 mil e 600 clientes, 26 mil e 699 dos quais possuem contadores nos municípios do Lubango, Matala, Quipungo, Humpata e Chibia.

A problemática da produção de energia eléctrica na Huíla é crónica, data de há mais de 20 anos, sendo que a principal fonte é a barragem da Matala, mas conta com duas centrais térmicas, a da Arimba, no Lubango, e a do Chitoto, no Namibe, província que também recebe energia da Huíla.

Leia também
  • 30/09/2020 20:40:21

    Países da África Central recomendam maior protecção aos pobres

    Luanda - Os participantes ao Fórum de Desenvolvimento Social da Comunidade Económica dos Estados da África Central recomendaram, esta quarta-feira, os países membros a redobrarem as medidas de protecção das pessoas em situação de pobreza extrema, em face da Covid-19.

  • 30/09/2020 18:51:01

    Autoridades trabalham para impedir derrube de embondeiros

    Luanda - O Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente está a trabalhar para impedir o abate indiscriminado de embondeiros na zona do Sequele, município de Cacuaco, província de Luanda, onde existe o registo do derrube indiscriminado de mil 800 árvores desta espécie.

  • 30/09/2020 17:26:33

    Inaugurado memorial para vítimas do Munhino

    Lubango - O memorial em homenagem às vítimas do acidente ferroviário ocorrido há dois anos na zona do Munhino, província do Namibe, foi inaugurado esta quarta-feira, pelo presidente do Conselho de Administração do Caminho-de-Ferro de Moçâmedes, Daniel Quipaxe.