Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Transporte

23 Dezembro de 2010 | 23h13 - Actualizado em 24 Dezembro de 2010 | 09h03

Caminhos-de-Ferro de Moçâmedes serão reinaugurados em 2011

Transportes

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Luanda – O ministro dos Transportes, Augusto da Silva Tomás, informou nesta quinta-feira, em Luanda, que os Caminhos-de-Ferro de Moçamedes, na província do Namibe, serão reinaugurados em 2011.

Ao discursar na cerimonia de cumprimentos de fim-de-ano, o governante disse que está em curso a sua reabilitação e no ano que se avizinha voltará a funcionar.

No mesmo quadro, o Governante anunciou que em 2012 serão também reinaugurados os Caminhos-de-Ferro de Benguela (província de Benguela),

Para 2011, segundo disse, o ministério sob sua tutela vai continuar a apostar na criação de condições físicas e materiais para garantir a mobilidade de pessoas e mercadorias.

Relativamente ao sector marítimo e portuário, o ministro Augusto da Silva Tomás garantiu a continuidade da aposta do seu ministério, que consiste em construir e equipar as infra-estruturas portuárias e aeroportuárias.

No sector aéreo, continuar-se-á a trabalhar para consolidar o Programa de Reformas, como a refundação da TAAG, apostando na renovação do homem, melhoria da cultura, comportamento e atitude dos seus funcionários, assim como na melhoria da prestação de serviços e rentabilização da empresa.

O sector empresarial de transportes público, o governante reafirmou a disponibilidade do executivo em continuar a prestar especial atenção, ao mesmo tempo que solicitou o engajamento dos privados no sentido de trabalharem unidos, o que, segundo ele, irá permitir a redução do custo de vida dos cidadãos.

“Com a melhoria do funcionamento dos quatro sectores, (rodoviário, marítimo, ferroviário e aéreo), vai se contribuir para reduzir o custo de vida dos cidadãos através da conciliação do projecto de transportação em todo país. Para tal, acrescentou, é preciso que o comportamento e a acção conjunta esteja direccionada, no sentido global, com objectivo económico e social do país", sublinhou o ministro.

Sem adiantar datas, Augusto Tomás anunciou a criação, para breve, de um instituto superior de gestão de transportes que deverá formar e graduar quadros dos quatro ramos.