Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Transporte

21 Abril de 2017 | 18h07 - Actualizado em 21 Abril de 2017 | 18h19

Huíla: Um milhão de passageiros transportados para diferentes destinos

Lubango - Pelo menos um milhão, 159 mil e 274 passageiros e 53 mil toneladas de carga diversa foram transportados em 2016 pelo sector público dos transportes, da província da Huíla para diferentes destinos, pelas vias aérea, rodoviária e ferroviária.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Huíla: Comboio dos caminhos de ferro de Moçamedes leva passageiros da Matala a Menongue

Foto: Pedro Parente

O destaque recai para o Caminho de Ferro de Moçamedes, que transportou 881 mil e 200 passageiros, contra 385.815 no ano anterior, e 52 mil 960 toneladas de carga, menos mil 487, em dois mil 240 comboios sub-urbanos e para as províncias do Namibe e Cuando Cubango, e vice-versa.

A Angop soube hoje (sexta-feira), no Lubango, de fonte da direcção dos transportes que o CFM transportou, produtos como gás, combustíveis e mercadorias contentorizadas, a partir do porto do Namibe para o Lubango, e no sentido inverso granitos, madeira, entre outros.

O traçado do CFM perfaz cerca de mil quilómetros, entre Namibe - Huíla - Cuando Cubango, incluindo um ramal para o município da Jamba, que vai facilitar o escoamento do ferro e de ouro a partir da comuna de Tchamutete.

No transporte de passageiros, o CFM realiza apenas frequências Lubango - Cuando Cubango, com seis comboios semanais, cujo bilhete de passagem custa mil e 700 kwanzas.

A operadora ferroviária possui seis locomotivas, 166 vagões, 54 carruagens, quatro furgões e emprega mil 449 trabalhadores, que asseguram a operacionalidade do traçado ferroviário 56 estações.

Por seu lado, a TAAG transportou, a partir do Lubango, 42 mil e 146 passageiros, menos cinco mil 421 que no ano anterior, e 35 mil e 26 toneladas de carga, que gerou receitas de mil milhões,  84 milhões, 226 mil e 315 kwanzas.

Desta cifra, facturou mil milhões, 71 milhões, 511 mil e 549 kwanzas no transporte de passageiros, enquanto de carga resultaram receitas no valor de 12 milhões, 714 mil e 766 kz.

Houve um aumento de AKZ 149.850.982 e de três milhões, 475 mil e 827 kwanzas, respectivamente, em relação a 2015.

Foram efectuados 735 voos domésticos directos e triangulares, mais 35 que em 2015, nas ligações com as cidades de Luanda e Ondjiva (Cunene), assim como na rota internacional para a capital da República da Namíbia, Windoeck.

Sobre o trâfego no Aeroporto Internacional da Mukanka, a fonte indica um movimento de quatro mil 296 aeronaves, menos 277, sendo três mil 842 da rota doméstica, com 56.289 passageiros embarcados, e 454 da internacional, com quatro mil 634 passageiros.

Quanto a passageiros em trânsito, o sector notificou 53 mil 519, menos mil 139, com 49 mil 277 da carreira doméstica e os restantes da internacional. Foram embarcadas 39.432 toneladas de carga e desembarcadas 59.645 ton.

Este movimento inclui voos fretados, extras e programados da TAAG, de outras companhias e particulares. A TAAG realiza vôos diários, e o bilhete de passagem do Lubango a Luanda custa 29.539 kz, na classe económica, e 56.674 kz, na executiva.

No capítulo rodoviário, neste período foram transportados 235 mil 928 passageiros, com uma redução de 102.643 comparativamente a 2015, por mais de cinco operadoras que cobriram rotas para Benguela, Luanda, Namibe, Cuanza Sul, Cunene e Huambo.

O preço varia em função do percurso, sendo que da Huíla/Luanda custa oito mil e 800 kwanzas, cinco mil e 200 para o Huambo, quatro mil e 900 para o Sumbe (Cuanza Sul), quatro e 500 para Ondjiva (Cunene), quatro e 300 para Benguela e mil e 600 para a do Namibe.


 

Leia também