Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Transporte

19 Dezembro de 2018 | 19h49 - Actualizado em 19 Dezembro de 2018 | 19h49

CFB aumenta número de comboios de passageiros em 2018

Lobito - Dois mil e setenta e três comboios de passageiros do Caminho de Ferro de Benguela (CFB) circularam este ano, mais mil e 113 do que em 2017, anunciou hoje, no Lobito, Luís Lopes Teixeira, presidente do Conselho de Administração da Empresa.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Comboio do CFB

Foto: cedida pela fonte

Falando na cerimónia de cumprimentos de fim de ano, Luís Lopes Teixeira revelou que, com este incremento, foram transportados 987 mil e 939 passageiros, embora o CFB espere ultrapassar a cifra de um milhão, até o final deste mês.

Em relação aos comboios de mercadorias, adiantou que, até o momento, foram postos a circular 134 unidades, com 84 mil e 168 toneladas de carga, contra os 57 comboios de 2017, com 29 mil e 708 toneladas.

Entres as mercadorias transportadas estão o combustível com 18 mil e 994 toneladas, gás liquefeito com 8.660 toneladas, bebidas com 10 mil e 831 toneladas, cimento com 840 toneladas, para além de 21 mil e 195 toneladas de produtos diversos.

Segundo o gestor do CFB, este ano ficou ainda marcado pelo reinício da transportação ferroviária de minério proveniente da República Democrática do Congo, na ordem das 16 mil e 71 toneladas de concentrado de manganês e cobre.

O responsável considerou os resultados deste ano animadores, alegando que este feito só foi possível com a retoma do tráfego internacional de minério, com as primeiras mil toneladas de manganês provenientes da região de Missengue, na República Democrática do Congo.

Assim, foi concretizado o sonho do CFB e da sua congénere Sociedade Nacional do Caminho de Ferro do Congo, de retomar a actividade, após 34 anos de paralisação, como explicou.

No capítulo dos  investimentos para 2019, apontou apenas o projecto de iluminação das estações ferroviárias, no âmbito do Orçamento Geral do Estado.

Mas, segundo Luís Lopes Teixeira, existem vários equipamentos por recuperar como é o caso de algumas máquinas e vagões para o reforço dos comboios, tanto de passageiros como de mercadorias.

Aproveitou ainda a oportunidade para ressaltar os constrangimentos que a empresa enfrenta, nomeadamente a falta de material de reboque como vagões e carruagens e de técnicos em diversas áreas.

A empresa conta neste momento com 1.354 trabalhadores distribuídos pelas áreas administrativa e técnica, sendo esta última a que absorve maior parte do efectivo da empresa.

O CFB surgiu em 27 de Novembro de 1902, possuindo uma linha férrea com 1.344 km de extensão, que  parte da cidade portuária do Lobito, passando pelo interior do país, atingindo o Luau, província do Moxico, ponto de ligação com a República Democrática do Congo e a Zâmbia.

Leia também
  • 28/11/2018 13:10:39

    Autocarros com baixa adesão de pasageiros em Benguela

    Lobito - O transporte de passageiros em autocarros nas rotas inter-urbanas no litoral da província de Benguela enfrenta actualmente uma baixa adesão em detrimento dos táxis, disse hoje à Angop, no Lobito, o director do Gabinete Provincial dos Transportes, André Ricardo.

  • 28/11/2018 13:03:39

    Benguela tem mais de 500 táxis licenciados para transporte de passageiros

    Lobito - Pelo menos 530 táxis, dos cerca de mil e 500 que circulam na província de Benguela, estão licenciados para o serviço de transportes públicos de passageiros, anunciou, esta quarta-feira, no Lobito, o director do Gabinete Provincial dos Transportes, Correios e Telecomunicações, André Ricardo.

  • 28/11/2018 12:42:54

    Circulação dos transportes escolares num impasse

    Lobito - A indefinição de um modelo de gestão dos autocarros para a mobilidade dos alunos, que ainda percorrem longas distâncias em busca do saber, está a condicionar a implementação do projecto de Transportes Escolares no país, admitiu, hoje, André Ricardo, director do Gabinete Provincial de Benguela dos Transportes.