Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Transporte

14 Julho de 2018 | 04h43 - Actualizado em 14 Julho de 2018 | 04h56

Responsável quer população esclarecida sobre sinalização rodoviária

Ondjiva - O director provincial dos Transportes, Tráfego e Mobilidade Urbana do Cunene, António José, afirmou sexta-feira, em Ondjiva, que a preservação da sinalização rodoviária passa pela consciencialização da população, através de campanhas de sensibilização.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

vista parcial da Estrada nacional 105

Foto: Pedro Parente

Em declarações à Angop, a propósito vandalização da sinalização rodoviária na estrada nacional 105, disse ser necessário explicar às pessoas a importância dos sinais de trânsito, para comodidade e segurança dos automobilistas, passageiros e peões.

Lamentou a destruição da sinalização rodoviária nos troços Ondjiva/Santa-Clara, Ondjiva/Xangongo e Humbe/Cahama, protagonizada por cidadãos ainda não identificados.

Segundo o responsável, é preocupação do sector dos Transportes o roubo e vandalização dos sinais nas principais estradas da província do Cunene, situações que colocam em risco a vida dos automobilistas, passageiros e peões.

Informou que está em curso acções conjuntas entre o sector dos Transportes e administrações municipais, no sentido de se sensibilizar as autoridades tradicionais e a população do meio rural, no sentido de cuidarem melhor a sinalização rodoviária.

Por se tratar de uma estrada situada no corredor que liga Angola, Namíbia e África do Sul, referiu que a prioridade é a uniformização dos procedimentos técnicos, para facilitar a integração regional em matéria de mobilidade e infra-estruturas rodoviárias.

Esclareceu que o eixo rodoviário 105 é estratégico para Angola e Namíbia e a falta de sinalização cria constrangimentos aos automobilistas, principalmente os camionistas que fazem longo curso, transportando mercadorias entre os dois países.

Leia também