Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Transporte

18 Abril de 2019 | 17h13 - Actualizado em 18 Abril de 2019 | 17h13

Área de cultivo atrai pássaros que perigam aeronaves na Catumbela

Catumbela - O cultivo de cereais e frutas nas imediações do aeroporto internacional da Catumbela, na província de Benguela, está a atrair bandos de pássaros que podem pôr em risco a segurança das aeronaves, soube-se hoje.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Benguela: Aeroporto Internacional da Catumbela

Foto: Lucas Neto

Numa ronda feita pela Angop, nesta quinta-feira, no perímetro agrário adjacente ao referido aeroporto, constatou-se a produção de milho, banana, mamão, melancia e maracujá, o que está a atrair algumas espécies de aves ao local.

Em declarações à Angop, o director do aeroporto internacional da Catumbela, Armindo Chambassuco, afirmou que esses pássaros podem colidir com as turbinas das aeronaves e provocar acidentes.

Colisões entre aves e aviões são uma das grandes preocupações para a aviação em todo o mundo, devido ao risco que elas causam à vida das pessoas e o custo financeiro provocado pelos danos e perdas de aeronaves. Desde 1988, a nível do mundo, mais de 200 pessoas morreram em acidentes relacionados com aves.

Quando esse choque ocorre, o mais comum é que a ave seja sugada pelas pás do motor. Isso pode quebrar algumas estruturas fundamentais do motor e fazê-lo parar de funcionar.

Armindo chambassuco informou que outro perigo que se vive no aeroporto são os animais criados por moradores do bairro da Cachiva, arredores do aeroporto, alguns dos quais já atravessaram o cerco, invadindo a pista.

Por seu turno, o administrador municipal da Catumbela, Julião Almeida, numa visita efectuada às instalações do aeroporto, avançou a possibilidade de se fazer um estudo para transferência dos cidadãos residentes na Cachiva para outras zonas, pois estão a povoar cada vez mais o perímetro aeroportuário.

Já o assessor para área social, produtiva e de infra-estruturas do administrador municipal, Enoque Kussendela, confidenciou que o plano directório da Catumbela, a ser aprovado, prevê o surgimento de duas urbanizações, Bela Catumbela e Sagrada Esperança, que poderão receber os moradores da Cachiva.

A Angop constatou a existência de uma manada de gado bovino junto ao cerco de vedação do aeroporto, cujos proprietários são moradores do referido bairro.

O aeroporto internacional da Catumbela, inaugurado em 2012, será uma alternativa ao de Luanda, depois de certificado pelas autoridades aeronáuticas para receber voos internacionais, pela sua dimensão e capacidade, prevendo-se uma movimentação anual na ordem dos 2,2 milhões de passageiros.

Com duas mangas para embarque e desembarque e uma pista de 3.700 metros, tem capacidade para prestar atendimento a cerca de mil pessoas na hora de pico.

Leia também
  • 13/01/2019 11:57:48

    Transportes rodoviários rendem Akz dois milhões por mês ao Estado

    Benguela - Mais de três mil e setecentos operadores de transportes rodoviários, entre táxis e camiões, estão licenciados pelo Gabinete Provincial dos Transportes, Trafico e Mobilidade Urbana de Benguela, que resulta num contributo fiscal de mais de Akz dois milhões por mês, informou hoje (domingo), à Angop, nesta cidade, o seu director, André Ricardo.

  • 07/01/2019 21:35:23

    Embarcações acusadas de violar limites para pesca

    Lobito - As pequenas embarcações que desaparecem da costa marítima de Benguela, com pescadores a bordo, têm violado os limites da sua zona de pesca artesanal, ultrapassando as quatro milhas autorizadas, revelou hoje, à Angop, a Capitania do Porto do Lobito.

  • 19/12/2018 19:49:28

    CFB aumenta número de comboios de passageiros em 2018

    Lobito - Dois mil e setenta e três comboios de passageiros do Caminho de Ferro de Benguela (CFB) circularam este ano, mais mil e 113 do que em 2017, anunciou hoje, no Lobito, Luís Lopes Teixeira, presidente do Conselho de Administração da Empresa.