Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Transporte

19 Setembro de 2020 | 14h06 - Actualizado em 19 Setembro de 2020 | 14h05

Covid-19: A "batalha" dos transportes públicos

Luanda - Apanhar táxi e autocarro, para ir ao serviço ou retornar a casa, nas horas de ponta, tem sido um "calvário" para milhares de trabalhadores em Luanda, nos últimos dias.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

As filas de populares para apanhar o autocarro público, na paragem do término no municpio de Viana(Luanda)

Foto: Pedro Parente

Paragem do Golf 2, no município do Kilamba Kiaxi (Luanda), apinhada de gente

Foto: Domingos Cardoso

A capital do país tem pouco menos de 20 mil táxis e 420 autocarros públicos, para uma população estimada em mais de sete milhões de habitantes, na maioria sem carro próprio. 

Segundo dados do Gabinete de Tráfego e Mobilidade do Governo Provincial de Luanda (GPL), antes da Covid-19, pelo menos dois milhões e meio de passageiros/mês eram transportados em autocarros públicos. 

O sector de transportes do GPL estima que mais de três milhões de pessoas/mês sejam transportadas na cidade, em autocarros públicos, sublinhando que o desconfinamento faz aumentar a pressão dos passageiros.

Conforme estimativas das autoridades locais, a província tem necessidade de pelo menos sete mil autocarros na via, para reduzir o impacto da falta de transportes públicos urbanos. 

São milhares os trabalhadores e outros cidadãos que dependem, todos os dias, dos transportes públicos, e enfrentam "batalhas" em apinhadas paragens para conseguir se locomover. 

Em Luanda, o "frenesim" nas paragens vem se intensificando desde o aligeiramento das medidas restritivas do Decreto Presidencial sobre a Situação de Calamidade Pública, em vigor desde o dia 09 de Setembro. 

O aumento da "pressão" sobre os táxis e autocarros deve-se, essencialmente, ao facto de 

os diferentes serviços sociais e económicos terem mais tempo para funcionar. 

Se, há um mês, os mercados informais e venda ambulante funcionavam apenas terça-feira, quinta-feira e sábado, por conta da circulação comunitária do vírus em Luanda, hoje, o prazo de vendas alargou para 5 dias, arrastando mais vendedores e clientes às abarrotadas paragens.

De igual modo, muitos trabalhadores, em particular os pais que estavam em casa, porque têm menores de 12 anos sobre sua guarda, voltaram a exercer a sua actividade laboral, passando pelo "calvário" das paragens. 

Logo pela manhã (06h00 até 09h00) e do meio da tarde ao começo da noite (15h00 até 19h00), as paragens ficam apinhadas de pessoas que ficam horas à espera de uma oportunidade para embarcar num táxi ou em autocarros públicos.

A falta do cumprimento das medidas de distanciamento físico, por causa da confusão nas paragens, é uma séria ameaça para os utentes destes meios, que ficam, cada vez mais, expostos à contaminação do coronavirus. 

É factual que nestes difíceis ambientes de empurra-empurra, a maioria dos passageiros  cumpre com as medidas de biossegurança, usando máscaras faciais e lavando as mãos. 

Mas, em hora de ponta, altura em que os trabalhadores se aglomeram para ir ao trabalho ou regressar a casa, o cenário é deveras crítico. É um autêntico "salve-se quem pode". 

Os taxistas aproveitam-se da situação e do facto de só ser possível, para os transportes públicos, levar 50 por cento da capacidade de passageiros, para encurtar as rotas e encarecer o preço. 

Os taxistas que saem do município de Viana até à Avenida Deolinda Rodrigues, por exemplo, invés de continuarem a viagem até ao Mercado dos Congolenses, Distrito Urbano do Rangel, encurtam-na até ao ex-mercado da Estalagem. 

Deste ponto seguem até à paragem da Frescangol e assim sucessivamente, levando o utente a pagar até, ao destino, cerca de 450 kwanzas, contra os 150 kwanzas habituais.

A mesma situação verifica-se no troço rodoviário Gamek/Golf-2, Benfica/Multiperfil, onde os taxistas repartem o percurso, fazendo, agora, as rotas Gamek/Lixeira/Golf-2, bem como Benfica/Futungo e Futungo/Multiperfil.

Face a este comportamento, conforme fonte da Unidade de Trânsito de Luanda, nos últimos dias mais de dez motoristas e cobradores foram levados a tribunal, para julgamento sumário, e pagaram multas por sobrefacturação.

A Associação dos Taxistas de Angola (ATA) mostra-se preocupada com a situação, pelo que criou brigadas de fiscalização e sensibilização contra tais práticas, que prejudicam sobremaneira a vida do cidadão. 

O seu presidente, Rafael Inácio, desencoraja os promotores destas práticas (encurtamento de rotas), e adverte que os agentes da ordem estão a actuar de acordo com a Lei. Os reincidentes, além das multas, podem cumprir cadeia.

Autocarro Público

Quanto aos autocarros públicos, o Governo Provincial de Luanda, com o diagnóstico dos primeiros casos de Covid-19 no país, no final de Março deste ano, e a aplicação de medidas sanitárias para conter a propagação do vírus, introduziu no mercado 325 autocarros. 

A maioria dos meios é novo e está sob responsabilidade de empresas privadas do ramo, com o fim de mitigar a carência de transportes.

No entanto, a demanda nas diversas rotas dos municípios da capital do país, designadamente Luanda, Cacucao, Viana, Cazenga, Talatona, Kilamba-Kiaxi, Belas, Icolo e Bengo e Quiçama, demonstra que, apesar do esforço, este número de frequência de autocarros é insuficiente.

O cidadão António Gonçalves, residente na zona do Sucupira, distrito urbano do Calwoenda, município do Cazenga, refere que o número reduzido de autocarro na via e a obrigação de transportar apenas metade da sua capacidade, em face das medidas sanitárias, está a provocar enchentes nas paragens, nas horas de ponta.

Para si, outra causa das enchentes é o facto de os autocarros que operam na linha Vila de Viana/Largo das Escolas (Distrito Urbano da Maianga/ município de Luanda) ficarem muito tempo no engarrafamento, na Avenida Deolinda Rodrigues.

A funcionária doméstica Josefa Sebastião explica que o número limitado de passageiros e a demora dos autocarros, até chegar à sua paragem na Bela Vista, Avenida Deolinda Rodrigues, tem criado muitos constrangimentos para chegar a horas no serviço.  

Por sua vez, Alfredo Viegas, funcionário público, solicita que a Direcção Provincial dos Transportes de Luanda crie, com urgência, estradas de serviços exclusivos para os autocarros, a fim de possibilitar mais viagens nas rotas e levar o maior número de passageiros.

De acordo com o Decreto Presidencial nº229/20, de 8 de Setembro, que contêm as medidas excepcionais e temporárias a vigorar durante a Situação de Calamidade Pública, os transportes colectivos poderão atingir 75 por cento da lotação a partir de 1 de Outubro, tal como ocorre com as demais províncias do país.

Essa limitação de transportes e aglomerações nas paragens propicia o aumento do risco de propagação do vírus nas comunidades.

Leia também
  • 18/09/2020 19:48:16

    Covid-19: TAAG volta a voar para Benguela

    Catumbela - Com o novo avião Dash 8-400, Kwanza A, a TAAG (Linhas Aéreas de Angola) voltou, esta sexta-feira, a operar no Aeroporto Internacional da Catumbela, retomando a ponte aérea entre a capital Luanda e a província de Benguela, interrompida em Março pela pandemia da Covid-19.

  • 16/09/2020 18:42:10

    Covid-19: Ruptura de stock de testes impede viagem

    Soyo - Mais de trinta passageiros da cidade do Soyo, província do Zaire, que pretendiam viajar esta quarta-feira para Luanda, pela companhia aérea nacional TAAG, ficaram em terra devido à ruptura de testes serológicos da Covid-19.

  • 14/09/2020 19:44:37

    Covid-19: Polícia apreende 19 viaturas por excesso de lotação

    Benguela - Dezanove viaturas foram apreendidas neste fim-de-semana, na província de Benguela, por excederem os 75 por cento permitidos de lotação, à luz do Decreto Presidencial sobre a Situação de Calamidade, soube hoje, segunda-feira, a Angop.