Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Turismo

27 Fevereiro de 2018 | 07h05 - Actualizado em 27 Fevereiro de 2018 | 07h05

Cuando Cubango: Administrador quer "acção" no projecto Okavango-Zambeze

Menongue - O administrador do Rivungo, província do Cuando Cubango, Júlio Vidigal, disse na segunda-feira que há necessidade de se atrair investidores para o projecto Okavango-Zambeze, visando criar empregos aos jovens e melhorar o bem-estar social das populações.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Cuando Cubango: Júlio Vidigal - Administrador do município do Rivungo

Foto: Armando Morais

Júlio Vidigal considerou o projecto, que envolve Angola, Namíbia, Botswana, Zâmbia e Zimbabwe, um mostro adormecido, mas que o país já teria que criar mecanismo para atrair investidores e, desta forma, tirar proveito deste polo industrial.

“Queremos tirar vantagem do projecto Okavango-Zambeze porque vai gerar empregos e criar riquezas, bem como melhorar o bem-estar social da população local e daqueles que queiram Rivungo como seu destino na qualidade dos turistas”, defendeu o administrador.  

Sublinhou que o projecto é ainda um mostro adormecido, uma vez que tem um potencial que até ao momento não foi explorado.

“A intenção é mobilizarem recursos financeiros, melhorar as vias de comunicação, para não só atrair o turismo, bem como permitir que o Estado arrecade receitas”, salientou o responsável.

Com a arrecadação de mais receitas, assegurou, haveria a construção de mais infraestruturas em prol do bem-estar das populações, desde a energia, água, melhoramento do sistema de assistência à saúde, educação, entre outros projectos.

Para Júlio Vidigal, estes projectos poderão atrair mais pessoas para o município e sendo assim haverá maior mão-de-obra qualificada, mais produção, mais necessidade de abertura de instituições de ensino, entre outras iniciativas locais.

Informou que o Rivungo tem uma área aproximada de 22 mil metros quadrados do projecto Okavango-Zambeze e em termos de conservação a situação melhorou muito porque os animais já conseguem circular livremente.

Fez saber que já foi possível identificar as espécies de animais existentes e o seu habitat, o que no passado era difícil de ser concretizado, dada a situação da guerra civil que o país vivenciou.

De acordo com o administrador, esta realidade permite gizar um turismo mais direccionado ou facilitar os guias turísticos, mas que a situação das vias de comunicação devem, igualmente, merecer uma atenção para a circulação regular dos turistas nacionais e internacionais.

Leia também
  • 17/01/2019 14:43:26

    Turismo prevê melhor rentabilidade de restaurantes na Ilha

    Luanda - O Ministério do Turismo vai, nos próximos dias, encetar encontros com diferentes parceiros que influenciam no custo final dos produtos praticados pelos restaurantes na Ilha do Cabo, em Luanda, visando elevar o fluxo de clientes e minorar reclamações sobre os preços altos.

  • 16/12/2018 06:46:41

    Cuanza Norte: Defendida melhoria dos acessos aos locais turísticos

    Dondo - O técnico do turismo, Nelson Cabenda, advogou sábado, no Dondo, município de Cambambe, Cuanza Norte, a melhoria dos acessos aos pontos turísticos locais, visando atrair turistas e investidores neste sector à região.

  • 28/10/2018 18:56:48

    Angola tem novo representante junto da Organização Mundial do Turismo

    Madrid - O embaixador extraordinário e plenipotenciário de Angola junto do Reino de Espanha, José Luís de Matos Agostinho, foi acreditado, sexta-feira última, como representante permanente do país africano junto da Organização Mundial do Turismo (OMT).

  • 30/09/2018 10:40:22

    Cuando Cubango: Resultados económicos no turismo dependem da recuperação das estradas

    Menongue - As potencialidades turísticas do Cuando Cubango só poderão trazer resultados económicos a médio e longo prazo, quando a província dispor de uma malha rodoviária completa e integrada, segundo o director da Escola Superior de Hotelaria e Turismo afecta à Universidade Cuito Cuanavale.