Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Discursos dos Presidentes » Discurso na qualidade de Presidente em Exercício da SADC

Discurso na qualidade de Presidente em Exercício da SADC

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

17/08/2011 - Discurso do Chefe de Estado angolano, José Eduardo dos Santos, na qualidade de Presidente em Exercício da SADC

SUA EXCELÊNCIA

HIFIKEPUNYE POHAMBA,

PRESIDENTE DA REPÚBLICA DA NAMÍBIA E PRESIDENTE
EM EXERCÍCIO CESSANTE DA SADC,

SUA MAJESTADE
REI MSWATI III DO REINO DA SWAZILÂNDIA,

SUAS EXCELÊNCIAS
CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DOS PAÍSES
MEMBROS DA SADC,

DIGNÍSSIMOS MINISTROS E MEMBROS DO CONSELHO DE
MINISTROS DA SADC,

ILUSTRES CONVIDADOS,

MINHAS SENHORAS E MEUS SENHORES,

A República de Angola tem a honra de acolher pela segunda vez na sua história uma Cimeira da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC).


Decorridos nove anos desde a Cimeira passada, muitas mudanças se tornaram perceptíveis, tanto no nosso país como a nível internacional. No caso de Angola, graças ao fim do conflito militar, as transformações ocorridas foram obviamente positivas.

 

Alguns exemplos o atestam: a taxa de crescimento da economia do ano transacto foi de 3,4 por cento e a prevista para o ano corrente é de 7,5 por cento; a inflação teve uma redução drástica
de três mil por cento para os actuais 14,13 por cento, estando prevista para este ano a meta de 12 por cento; o investimento público e privado aumentou, foi feita a recuperação e construção
de infra-estruturas no domínio das estradas, dos caminhos de ferro, da energia eléctrica e do abastecimento de água potável e houve uma melhoria significativa do nosso índice de
desenvolvimento humano.

 

A nível internacional, durante o período em referência, diversos acontecimentos acabaram por marcar pela negativa os nossos países.


De entre eles destaca-se a crise económica e financeira que persiste até hoje, sem que se vislumbrem sinais para o seu termo, havendo mesmo quem vaticine a probabilidade de ocorrer um
novo período de recessão.


Para além dessa crise, que acaba por condicionar sobremaneira as nossas economias, sobrevieram outros fenómenos negativos que não podem deixar de preocupar a nossa Comunidade.

 

São eles os conflitos militares, alguns dos quais em África; as convulsões de natureza social e política no Norte de África e no Médio Oriente, que agora também têm lugar na Europa; o tráfico
ilícito de drogas e de órgãos humanos e os actos de terrorismo.


É este contexto difícil e demasiado complexo que nos impõe a necessidade de preservarmos a unidade e de junto caminharmos, a fim de cumprirmos o objectivo de fazer da região austral do
nosso Continente uma zona exemplar de paz, segurança, prosperidade, desenvolvimento, democracia e justiça social, onde cada cidadão se possa sentir verdadeiramente realizado.


Apesar das dificuldades e vicissitudes de diversa índole que em conjunto, ou por razões de ordem estrutural, afectaram um ou outro dos nossos países, a nossa Comunidade de Estados tem sabido actuar com parcimónia, vontade política e espírito construtivo, de forma a evitar que litígios e conflitos internos tivessem degenerado catástrofes humanas de grande dimensão e de consequências sempre imprevisíveis.


EXCELÊNCIAS,


A nossa Comunidade já percorreu uma longa trajectória, desde o tempo dos Países da Linha da Frente, e soube sempre ultrapassar as muitas provações e adversidades com as quais se confrontou, graças à dedicação dos seus actuais líderes e dos seus dignos antecessores e ao espírito de sacrifício e abnegação dos nossos Povos.

 

Somos uma Comunidade de quinze nações que soube encontrar uma plataforma comum de cooperação através de valores partilhados e de um destino comum, cimentados por um legado
histórico de luta e de afirmação de independência.

 

Aproveito esta ocasião para felicitar a Namíbia, na pessoa do seu Presidente, Sua Excelência Hifikepunye Pohamba, pela liderança exemplar demonstrada na qualidade de Presidente da SADC durante o ano transcorrido, bem como o Senhor Presidente da Zâmbia, na qualidade de Presidente do Órgão de Cooperação Política de Defesa e Segurança.

 

As suas realizações proporcionaram, sem dúvida, as condições para que a nossa organização tenha dado mais um significativo passo em frente na sua trajectória.

 

Integra-se nesse processo de evolução da nossa Comunidade a revisão em curso do Programa Indicativo Estratégico de Desenvolvimento Regional (RISDP), que nos irá permitir redefinir
as nossas prioridades em termos de programas e projectos, que certamente irão modelar o nosso trabalho e em última análise influenciar a qualidade de vida dos nossos cidadãos.


Esta iniciativa poderá ser precursora de um novo paradigma, com base no qual a SADC passará a operar para alcançar os seus nobres objectivos.


Precisamos, de facto, de elevar a SADC para um novo patamar, de modo a tornarmo-nos parte activa do desenvolvimento de África e do mundo.


Para que tal possa ocorrer é estritamente necessário que a nossa integração seja sustentada e equilibrada, por forma a influenciarmos uma nova ordem económica em que os legítimos
interesses de todas as Nações sejam respeitados e tidos em consideração.

 

Ao revermos o Programa Indicativo Estratégico do Desenvolvimento Regional (RISP), que constitui o núcleo do Programa de Acção da SADC, deveremos necessariamente adequar os nossos procedimentos reestruturados em 2003, de modo a obtermos melhores resultados em termos de custos e benefícios.


Impõe-se também que tenhamos em conta os défices existentes nas balanças comerciais dos Estados membros, dado que eles se encontram na base da migração desequilibrada de mão-de-obra e das diferenças de migração da força de trabalho em geral e dos quadros em particular.

 

Isso só pode ser alcançado através do aumento da competitividade de cada Estado, prestando-se a devida atenção ao necessário equilíbrio entre os interesses colectivos e os interesses próprios de cada país membro da SADC.


Angola está naturalmente interessada em fomentar o desenvolvimento de infra-estruturas que constituam de facto um estímulo adicional para o crescimento económico e, especialmente, para o investimento e o desenvolvimento do comércio.

 

Neste sentido, a concretização do Plano Director de Infra-estruturas da SADC afirma-se como uma prioridade, por forma a colhermos vantagens dos imensos recursos naturais e das vastas extensões de terra férteis para a agricultura e o desenvolvimento agro-industrial, em benefício dos nossos Povos.

 

EXCELÊNCIAS,

MINHAS SENHORAS E MEUS SENHORES,


É inquestionável que a nossa decisão, tomada em 2006, de incrementar a integração económica e regional está a produzir os seus frutos, pois até ao presente já está em vigor a Zona de Comércio Livre da SADC e estamos com intenções de avançar rumo à grande Zona de Comércio Livre da COMESA- EAC-SADC, que integra o Leste de África e a África Austral.


Temos em mente que a integração continental constitui o objectivo final da nossa acção.

 

Por essa razão, temos trabalhado com grande sentido de responsabilidade, de harmonia com o tratado de Abuja e com o Plano de Acção de Lagos.


Não obstante os grandes passos que estamos a dar nos mais distintos domínios da integração, não podemos descurar a complexidade e as condições concretas desse processo e outras
peculiaridades, incluindo as assimetrias numa ou noutra esfera, que necessitam de ser esbatidas e que nos levam a aceitar com pragmatismo uma integração gradual.


O efeito dominó a que estamos a assistir nos países que integram a União Europeia, num espaço mais homogéneo e mais desenvolvido e cujas nações já percorreram um caminho mais longo de consolidação, deve levar-nos a reflectir e a adoptar atitudes e decisões mais ponderadas, de modo a que cada passo nosso traduza de facto a firmeza e robustez do nosso processo de
integração e seja capaz de incentivar sem receios o passo seguinte.


Cremos ser importante reter que não obstante os desempenhos positivos das nossas economias e do processo de integração da nossa Comunidade, não nos podemos alhear do facto de
estarmos todos inseridos, de modo mais ou menos directo, na economia mundial e sujeitos, por conseguinte, aos seus efeitos.


É com redobrada satisfação e sentido de responsabilidade que aceito assumir os destinos da nossa organização de integração regional, ciente dos inúmeros desafios a que teremos de fazer
face, mas com a certeza de que, com o vosso apoio e solidariedade, encontraremos sempre as soluções mais adequadas e convenientes para seguir em frente.


De minha parte, tudo farei em prol da paz, segurança, da democracia e do desenvolvimento da nossa região e do fortalecimento da SADC.


A nossa Comunidade vai reforçar a luta contra a fome e a pobreza, contra as doenças endémicas  e as pandemias como o HIV-SIDA e promoverá a igualdade no género, a ascensão de cada vez mais mulheres em postos de direcção, combatendo igualmente a violência doméstica.


Agradeço a confiança em mim depositada e reitero o sentimento de honra que experimentamos por Vossas Excelências estarem aqui presentes a compartilhar este momento tão marcante para os nossos destinos comuns.

 

Muito Obrigado!