Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Huambo

Huambo

Essencialmente voltada para a área de extracção mineral e agro-pecuária, que representa 76 por cento da actividade económica da província.

Huambo

A província

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

A 8 de Agosto de 1912, na sequência de um despacho administrativo emitido pela portaria nº1040, o então governador-geral de Angola, o general português José Mendes Ribeiro Norton de Matos, inaugurava a cidade do Huambo, capital da província com o mesmo nome, ávido em querer torná-la na capital da colónia angolana.

O nome da urbe é uma homenagem ao mítico caçador Wambo Calunga, oriundo do Kwanza Sul, que se instalara na localidade de Muangunja, no município da Caála, cerca de 28 quilómetros do local onde actualmente é a sede da província.

Contrariamente ao que muitas fontes históricas sustentam, não foi este caçador quem fundou a cidade do Huambo, mas sim o general Norton de Matos.

Logo após a fundação, a cidade do Huambo deu um grande impulso para a vida social e económica, principalmente no ramo do comércio, indústria, agricultura, pecuária e construção de infra-estruturas sociais, cujos efeitos positivos e significativos para o desenvolvimento da província tornaram-na numa referência nacional em diversos domínios da vida.

Em 1928, período em que Vicente Ferreira foi governador-geral de Angola, a cidade do Huambo, de acordo com a "Carta Orgânica de Angola", Título I, foi proposta à capital do país, além de a terem atribuído a designação de Nova Lisboa, em homenagem à cidade de Lisboa, capital de Portugal. Vigorou o nome, mas a capitalidade não vingou por várias razões.

Reza a história que a planta da cidade do Huambo foi feita um ano depois da inauguração, em 1913. A política estabelecida por Norton de Matos, enquanto governador-geral de Angola, preconizava o desenvolvimento do interior, enquadrando-se aí a criação da cidade do Huambo.

Este governante, aliás, não se limitou a criar a cidade, mas também procurou desenvolvê-la ao máximo, com diversas medidas posteriores, como a concessão de terrenos às empresas comerciais, a instalação de uma câmara municipal, de escolas, de uma delegação da fazenda e a criação de uma granja agrícola experimental e um posto pecuário de observação e tratamento de gados.

Davam-se, assim, os primeiros passos importantes para o desenvolvimento daquela que, em poucos anos, se transformaria na segunda cidade de Angola, num centro de formação civil e militar importantíssimo e numa urbe possuidora do segundo parque industrial do país.

Conhecida como a terra dos soberanos Ekuikui, Katiavala e Mutu Ya Kevela, a província do Huambo foi palco de grandes lutas armadas contra a opressão colonial que terminou com a independência nacional a 11 de Novembro de 1975.

Fundada a 8 de Agosto de 1912, a cidade teve a designação de Nova Lisboa em 1928, devido ao seu clima, posição geográfica favorável para agricultura, assim como uma boa rede hidrográfica, a província do Huambo parecia reunir condições favoráveis para o desenvolvimento urbano. Tendo por isso mesmo sido identificada como uma potencial capital da colónia. No entanto, foi preterida por Luanda pela sua localização litoral. A província do Huambo é um marco da arquitectura colonial, com edifícios tradicionais e largas avenidas.

A principal actividade da população é a agricultura. Já foi conhecida como o celeiro de Angola, tendo o milho como principal cultura.

 

Superfície

Situado no centro sul do país, com uma área de 34.270 km2, tem como capital a cidade com o mesmo nome.

 

Distância em relação às outras cidades

 

Divisão Administrativa

A província é composta por 11 municípios, são eles:

Município Comunas
Huambo Huambo (SEDE)
Calima
Chipipa
Bailundo Bailundo (SEDE)
Bimbe
Hengue
Luvemba
Lunge
Caála Caála (SEDE)
Calenga
Catata
Cuima
Ecunha Ecunha (SEDE)
Quipeio
Londuimbale Londuimbali (SEDE)
Cumbira
Galanga
Ussoque
Alto Hama
Katchiungo Catchiungo (SEDE)
Chinhama
Chiumbo
Tchinjenje Quingenge (SEDE)
Chiaca
Mungo Mungo (SEDE)
Cambuengo
Ucuma Ucuma (SEDE)
Cacoma
Mundundo (Eleva)
Tchicala-Tcholohanga Tchicala (SEDE)
Mbave
Sambo
Samboto (Hungulo)
Longonjo Longonjo (SEDE)
Chilata
Iava Catabola
Lépi

 

Clima

O clima é tropical de altitude, com temperaturas médias de 19ºc, com uma estação seca e fria e uma estação chuvosa, onde o calor quase não se faz sentir devido às constantes precipitações. Temperatura média anual 19º C.

 

Grupos Étnicos

A população é maioritariamente de origem Ovimbundo, e a principal língua nacional da província é o Umbundu.

 

População

A população da província do Huambo é estimada em dois milhões 700 mil habitantes.

 

Recursos Naturais

No sub-solo da província do Huambo existe para explorar: Manganês - nos municípios do Longonjo, Bailundo e Caála. Bario, ferro e fosfatos - nos municípios de Bailundo e Caála. Wolframio - no município do Huambo. Caulino - nos municípios do Huambo, Ucuma e Londuibambi. Grafite - no município da Caála. Ouro e Cobre - nos municípios da Caála e Ucuma, respectivamente.