Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

07 Abril de 2020 | 17h05 - Actualizado em 07 Abril de 2020 | 18h21

OMS critica racismo de cientistas que querem África como terreno de testes

Genebra - O director-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) condenou os "comentários racistas" de pesquisadores que se referiram à África como "um campo de testes" para uma potencial vacina contra a Covid-19, denunciando "o legado de uma mentalidade colonial".

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Director-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus

Foto: Arquivo

"Esses tipos de comentários racistas não contribuem em nada para avançar. Vão contra o espírito de solidariedade. A África não pode e não será um campo de testes para nenhuma vacina", disse na segunda-feira Tedros Adhanom Ghebreyesus, ex-chefe de diplomacia Etíope, durante uma conferência de imprensa virtual.

"O legado da mentalidade colonial deve acabar", acrescentou.

Embora não tenha especificado a quais cientistas se referia, em França e nalguns países de África surgiu, na semana passada, uma polémica após um diálogo entre o director de pesquisa do Instituto Francês de Pesquisa Médica (INSERM), Camille Locht, e o chefe de serviço de medicina intensiva do hospital Cochin em Paris,Jean-Paul Mira, no canal LCI.

Na sequência desta conversa, Locht foi questionado sobre os estudos realizados para encontrar uma vacina contra a Covid-19.

Jean-Paul Mira perguntou-lhe: "Se posso ser provocativo, não deveríamos fazer este estudo em África, onde não há máscaras ou tratamento ou reanimação, como foi feito em alguns estudos da sida? (...) O que acha?". O cientista o respondeu: "Você tem razão. (...) Estamos a pensar, paralelamente, sobre um estudo em África com o mesmo enfoque, o que não significa que não possamos também pensar num estudo na Europa e na Austrália”.

As declarações causaram tanta polémica que ambos pediram desculpas e foram condenados por associações e pelo ministério francês dos Negócios Estrangeiros.

"É vergonhoso e horrível ouvir cientistas fazerem este tipo de declaração em pleno século XXI", enfatizou o chefe da OMS.

Personalidades francesas e africanas, como o futebolista ivoiriense Didier Drogba e o camaronês Samuel Etóo, reagiram, assim como a associação SOS Racismo, que pediu a intervenção do Conselho Superior do Audiovisual de França contra o programa.

Assuntos África  

Leia também
  • 06/04/2020 15:59:46

    Covid-19: UE defende "abordagem global" para perdão da dívida em África

    Bruxelas - A Comissão Europeia defendeu hoje, em Bruxelas, uma "bordagem coordenada e global" para o perdão da dívida pedido por África devido aos efeitos da pandemia, reconhecendo as ?consequências devastadoras? que a crise gerada pela covid-19 terá no continente africano.

  • 06/04/2020 12:19:51

    Covid-19: África com mais de nove mil casos e 414 mortes

    Luanda - O número de mortes provocadas pela Covid-19 em África subiu para 414 nas últimas horas num universo de mais de 9.198 casos registados em 51 países, de acordo com a mais recente actualização dos dados da pandemia naquele continente.

  • 06/04/2020 09:43:26

    Covid-19: África ultrapassa 8.500 casos e 360 mortes

    Luanda - O número de mortes provocadas pela Covid-19 em África subiu para 360 nas últimas horas num universo de mais de 8.500 casos registados em 50 países, de acordo com a mais recente actualização dos dados da pandemia naquele continente.