Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

23 Maio de 2020 | 09h16 - Actualizado em 23 Maio de 2020 | 11h49

Covid-19: Mortos em África sobem para 3.183 em mais de 103 mil infetados

Addis-Abeba - O número de mortos da covid-19 em África subiu hoje para os 3.183, com mais de 103 mil infectados em 54 países, segundo as estatísticas mais recentes sobre a pandemia naquele continente.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Dístico do Coronavírus

Foto: Divulgação

Mapa do Continente Africano, Berço da Humanidade

Foto: Divulgação

De acordo com dados divulgados pelo Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), os mortos subiram de 3.105 para 3.183, enquanto os casos de infecção cresceram de 100.666 para 103.933.

O número total de doentes recuperados passou de 39.543 para 41.473.

O norte de África é a região mais afectada pela doença no continente, com 1.541 mortos e 32.329 infectados pelo novo coronavírus.

A África Ocidental regista 594 mortos e 27.769 infecções, enquanto a África Austral conta 417 mortos e 21.678 casos, quase todos num único país, a África do Sul (20.125).

Na África Oriental há 11.426 casos registados, que causaram 303 mortos, e a África Central relata 328 vítimas mortais em 10.731 casos.

Seis países – África do Sul, Argélia, Egipto, Marrocos, Nigéria e Ghana - concentram cerca de metade das infecções pelo novo coronavírus no continente e mais de dois terços das mortes associadas à doença.

O Egipto é o país com mais mortos (707) e 15.786 infecções, seguindo-se a Argélia, com 582 vítimas e 7.918 infectados.

A África do Sul é o terceiro com mais mortos (397), continuando a ser o país do continente a registar mais casos de covid-19 (20.125).

Marrocos totaliza 197 vítimas mortais e 7.332 casos, a Nigéria tem 221 mortos e 7.261 casos, enquanto o Gana tem 31 mortos e 6.617 casos.

Entre os países africanos lusófonos, a Guiné-Bissau é o que tem mais infecções, com 1.114 casos, e regista seis mortos.

Cabo Verde tem 362 infecções e três mortos e São Tomé e Príncipe regista 282 casos e 11 mortos.

Moçambique conta com 164 doentes infectados e Angola tem 60 casos confirmados de covid-19 e três mortos.

A Guiné Equatorial, que integra a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), mantém há vários dias 719 casos positivos de infecção e sete mortos, segundo o África CDC.

O primeiro caso de covid-19 em África surgiu no Egipto em 14 de Fevereiro e a Nigéria foi o primeiro da África subsaariana, em 28 de Fevereiro.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 335 mil mortos e infectou mais de 5,1 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 1,9 milhões de doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detectado no final de Dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Assuntos África  

Leia também
  • 23/05/2020 00:01:34

    Balanço mitigado da União Africana

    Luanda - A União Africana (UA) foi oficialmente lançada em Julho de 2002, em Durban, África do Sul, como concretização da criação de uma nova organização continental, uma decisão dos então líderes continentais, tomada em Setembro de 1999, em Syrte, na Líbia.

  • 22/05/2020 21:31:42

    África supera os 100 mil casos de infecção pelo novo coronavírus

    Addis Abeba - África ultrapassou hoje os 100 mil casos de infecção pelo novo coronavírus e mais de 3.100 mortes causadas pela Covid-19, segundo os dados mais recentes sobre a pandemia no continente.

  • 22/05/2020 21:01:20

    Número de crianças em risco no Sahel subiu para 2,3 milhões

    Dacar - O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) alertou hoje que o aumento da violência e insegurança no Sahel, juntamente com a pandemia de Covid-19, colocou em risco 2,3 milhões de crianças no Burkina Faso, Mali e Níger.