Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

28 Dezembro de 2019 | 07h49 - Actualizado em 28 Dezembro de 2019 | 07h48

Comboio com 800 toneladas de cimento segue para RDC

Lobito - Um comboio com 20 vagões transportando 800 toneladas de cimento partiu sexta-feira do Lobito para o Luena, no Moxico, de onde seguirá para a República Democrática Congo (RDC).

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Benguela: CFB testa novos vagões com transporte de cimento para RDC

Foto: Cortesia do GCII do CFB

Em declarações à imprensa, à margem da partida da locomotiva, o presidente do Conselho de Administração daquela empresa ferroviária, Luís Teixeira, indicou que as 800 toneladas de cimento produzido na fábrica da Cimenfort, na Catumbela, têm como destino final o Congo Democrático.

Indicou que o transporte de cimento por via ferroviária resulta de um pedido da própria Sinotrans, dona da mercadoria que, por sinal, é fabricante dos vagões na China, numa espécie de "teste" para experimentar o estado operacional das novas máquinas, num percurso de 1344 quilómetros.

O objectivo, disse, é que os 20 vagões que exportam cimento nacional para RDC possam, em sentido oposto, trazer daquele país cobre até ao Porto do Lobito, no quadro de um acordo de cooperação rubricado em 2017 com a Sociedade Nacional dos Caminhos de Ferro do Congo (SNCC).

“Esses vagões partiram agora com o cimento e no regresso trarão cobre carregado directamente do Congo”, indicou o responsável.

Questionado sobre o tempo de espera para os operadores económicos interessados no transporte ferroviário de mercadoria, disse que isto está dependente da disponibilidade e do número de vagões.

Porém, frisou que, caso não haja disponibilidade, os operadores económicos esperam em geral uma semana até que os vagões regressem do Congo para poderem fazer o seu carregamento.

Outro problema é a morosidade no processo de carregamento a partir do Congo.

Luís Teixeira aponta o dedo a uma série de questões burocráticas, devido a intervenções de algumas instituições não só ligadas aos caminhos-de-ferro do Congo, mas ao Estado congolês que, a seu ver, faz com que os vagões permaneçam algum tempo a mais prejudicando a operação.

Notou que a solução para este problema está ser equacionada com a sua congénere congolesa - a Sociedade Nacional dos Caminhos de Ferro do Congo (SNCC).

Cimenfort reforça abastecimento no Leste

Francisco Idelfrides, coordenador de vendas da Cimenfort, acredita no reforço da capacidade operacional, num momento em que a empresa já fornece mais de três mil toneladas de cimento, distribuídas entre as províncias do Leste de Angola e a vizinha RDC.

"O Leste é um mercado apetecível e está em crescimento", disse a fonte, acrescentando que a empresa está aumentar o abastecimento, depois daquela região do país ter ficado muito tempo sem receber o produto.

Por outro lado, o director Comercial e de Operações do Porto do Lobito, Domingos Adão Francisco, deu conta que os 1.500 metros de linha férrea dentro do terminal portuário irão fazer face ao aumento esperado no movimento de vagões de cargas, para a potencialização do Corredor do Lobito.  

A partir do Luau, os vagões do CFB são rebocados por locomotivas da Sociedade Nacional dos Caminhos de Ferro do Congo (SNCC), que seguem para as regiões mineras de Katanga, onde ocorre o carregamento.

A Sinotrans, empresa chinesa especializada em operações logísticas que integra ferrovias, entregou os primeiros 60 vagões de um pacote de 300. Os restantes deverão estar disponíveis no primeiro semestre de 2020.  

Os vagões vão ampliar a capacidade de escoamento de cargas, como produtos agrícolas entre as províncias do Planalto Central (Huambo e Bié) e do Moxico, e insumos da indústria siderúrgica do Congo, para o porto atlântico do Lobito, na província de Benguela, de onde serão exportados por via marítima.

Bélgica, Índia e China estão entre os principais destinos do minério transportado pelo CFB.

As máquinas - modelo desenhado por técnicos angolanos do CFB e chineses da Sinotrans, têm 12 metros de comprimento e 2, 5 de largura, podendo transportar no máximo 60 toneladas de cargas, contrariamente às actuais que só transportam 40 toneladas.

Leia também
  • 28/12/2019 01:19:37

    Sinotrans investe mais de USD 30 milhões em Angola

    Lobito - O investimento da empresa chinesa de logística Sinotrans em Angola já ultrapassou os 30 milhões de dólares norte-americanos nos últimos onze anos, informou sexta-feira, no Lobito, província de Benguela, o director-geral adjunto daquela companhia, Tchum Long Ning.

  • 27/12/2019 18:33:10

    CFB recebe primeiros vagões de carga encomendados à China

    Lobito - O Caminho-de-Ferro de Benguela (CFB) recebeu esta sexta-feira o primeiro lote de 60 vagões de carga, dos 300 encomendados à construtora chinesa Sinotrans, para reforçar o transporte de mercadorias diversas, incluindo o minério do Congo Democrático até ao Porto do Lobito, para exportação.

  • 25/12/2019 09:51:47

    Ganda aposta sério na produção de café

    Ganda - O município da Ganda, na província de Benguela, pretende regressar aos tempos áureos da década de 1970, quando a colheita de café chegava às 200 toneladas anuais, contra apenas 10, actualmente.