Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

22 Maio de 2019 | 02h01 - Actualizado em 21 Maio de 2019 | 22h59

Operadores repõem preço da tarifa no trajecto Moçâmedes - Lubango

Moçâmedes - O preço do bilhete de passagem em miniautocarros que fazem o trajecto Moçâmedes (Namibe) ao Lubango (Huíla), vice-versa, voltou terça-feira, a ser praticado ao valor de mil e 500 Kwanzas, depois dos dois mil cobrados nas últimas 24 horas.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

A alteração deve-se a uma intervenção do Gabinete Provincial dos Transportes e Mobilidade Urbana, ao reagir a inquietação dos passageiros que consideraram a subida espontânea e unilateral de "descabida", uma vez que não há justificação plausível.

Em nome do grupo de operadores, Eduardo Domingos Sukuete, um dos mais de 50 concessionários dos miniautocarros que operam em Moçâmedes, que falava à Angop no final do encontro convocado pelo Gabinete Provincial dos Transporte e Mobilidade Urbana do Namibe, disse que a subida do preço de passagem para dois mil era justificada pelo encarecimento de sobressalente para assegurar a manutenção.

Salientou que  o pedido de alteração de bilhete de passagem, havia sido encaminhado ao governo da província há dois anos, mas nunca obtiveram a resposta, razão pela qual a Associação dos Taxistas e Miniautocarros tomou a decisão de unilateralmente alterar a tarifa.

"A direcção dos transportes se apercebendo do caso veio reunir com a associação  dos concessionários  e concluímos que enquanto se aguarda a resposta do governo da província,  vamos manter o preço de mil e 500 Kwanzas", disse.

Já o director do gabinete provincial dos Transportes e Mobilidade Urbana, Luís de Boavida Savazuka, considerou "justa" a reclamação dos concessionários e promete responder as reclamações até a primeira quinzena de Junho.

"É justa a reclamação, mas tudo passa pelo diálogo entre as entidades competentes, passando pelos procedimentos pelos pressupostos legais que a própria lei orienta no decreto presidencial, número 154 / 2010 de 26 de Junho", disse o director.

Reconheceu que os custos de produção e operacionais, bem como a própria vivência do mercado assim o exigem, a julgar pelos preços actuais de peças de reposição praticados no mercado informal.

Leia também
  • 15/05/2019 17:48:09

    Migração provoca disputa de pastos para criadores de gado

    Bibala - O fenómeno da migração que se regista nos municípios da província do Namibe, com maior intensidade os da zona sul (Virei e Tômbwa), poderá acarretar conflitos de terras e disputas de pontos de água e de pastos para o gado das comunidades que se dedicam a actividade agrícola e da pastorícia.

  • 14/05/2019 20:12:49

    CFM arrecada mais de 200 milhões de Kwanzas em três meses

    Lubango - Duzentos e 19 milhões, 678 mil e 545 Kwanzas é o valor arrecadado pelo Caminho-de-Ferro de Moçâmedes (CFM), com o transporte de carga diversa e passageiros, em mil e 35 comboios comerciais efectuados, durante o primeiro trimestre deste ano.

  • 13/05/2019 11:05:36

    Grevistas impedem circulação no CFL

    Luanda - Pelo menos 50 funcionários dos Caminhos de Ferro de Luanda (CFL), em greve desde 18 de Abril último, impediram, na manhã de hoje, a saída de um comboio da estação dos musseques, com destino à estação de Viana.