Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

31 Julho de 2020 | 14h28 - Actualizado em 31 Julho de 2020 | 14h28

PAC financia Lucky Man com mais de mil milhão de Kwanzas

Cahombo - A Fazenda Lucky Man vai expandir a sua área de produção na próxima campanha agrícola, passando de quatro para sete mil hectares de cereais e frutas, com o financiamento de mil milhão e 950 milhões de Kwanzas do Programa de Apoio ao Crédito (PAC).

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Com este valor, disponibilizado pelo Banco BIC no primeiro trimestre deste ano, vai se elevar a produção de 800 hectares de arroz para mil e 500, de três de milho para quatro mil, 200 hectares de frutas para 800 e de cinco para 200 hectares de feijão.

De acordo com o director de produção do projecto, Zhang Hui Pu, com este aumento de produção, espera-se colher 28 mil toneladas de milho, quatro  mil e 500 de arroz e milhares de toneladas de frutas, com destaque para a goiaba, banana, pitaya, tangerina e laranja.  

Paralelamente a isso, acrescentou, a fazenda adquiriu equipamentos como tractores, sementeiras e outros, com vista a reduzir o trabalho manual e alargar, paulatinamente, a produção, visando responder aos desafios do PRODESI.

Zhang Hui Pu fez saber que entre outras acções a que o projecto se propõe, consta ainda a montagem de duas fábricas de sumo com capacidade para produzir 15 mil toneladas /dia, cujos equipamentos já foram adquiridos no exterior.

Lembrou que a fazenda já dispõe de uma máquina de descasque e empacotamento de arroz com capacidade para processar 10 mil toneladas/dia. Actualmente encontram-se em stock 101 toneladas, a serem comercializadas nas províncias de Malanje e Luanda.

Projectam ainda, nos próximos tempos, a instalação de uma fábrica de produção de fuba de milho, bem como a instalação de pocilgas, para albergar 50 mil suínos, para a produção de chouriço, carne, salsicha entre outros derivados.

O director do Gabinete Provincial de Desenvolvimento Económico e Integrado, José Domingos, enalteceu os trabalhos já desenvolvidos pela fazenda, sublinhando que tal empenho é necessário, para que os valores sejam efectivamente canalizados à economia real, contribuindo assim para o aumento da produção nacional e consequente aceleração da diversificação da economia.

Por sua vez, o chefe de departamento do INAPEM (Instituto Nacional de Apoio às Micro, Pequenas e Médias Empresas), Isaías Hongo, explicou que a Lucky Man é o primeiro projecto financiado pelo PAC na província.

Revelou que outros oito  projectos estão em fase de negociação com a banca, voltadas essencialmente ao sector agrícola.

Com 600 trabalhadores entre os quais quatro chineses, 300 angolanos efectivos e o restante eventuais, a fazenda Lucky Man situa-se na comuna de Cambo Suinjinji, município de Cahombo (185 quilómetros a nordeste da cidade de Malanje).

Instalado numa área de mais de 10 mil hectares, o projecto conta com um investimento inicial de 28 milhões de dólares norte-americanos.

Leia também
  • 29/07/2020 17:03:46

    Banca já concedeu quatro mil milhões Kz no âmbito do PAC

    Luanda - Quatro mil milhões de kwanzas é o valor concedido pelas instituições bancárias por via do Programa de Apoio ao Crédito (PAC), para ajudar o Programa de Apoio à Produção, Diversificação das Exportações e Substituição das Importações (Prodesi).

  • 28/07/2020 17:29:47

    Covid-19: Bié reduz arrecadação de receitas fiscais

    Cuito - O Governo Provincial do Bié deixou de arrecadar, no segundo trimestre deste ano, 13 milhões, 528 mil e 422 Kwanzas de receitas fiscais, em consequência da Covid-19 que assola o país e o mundo desde Março do ano em curso.

  • 28/07/2020 15:07:56

    Angola Telecom recua na parceria com Angorascom

    Luanda - A Angola Telecom anunciou esta terça-feira que decidiu recuar no processo de subconcessão de exploração da sua licença móvel à empresa Angorascom Telecomunicações, autorizado há oito meses pelo Governo angolano.