Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

07 Fevereiro de 2019 | 12h44 - Actualizado em 07 Fevereiro de 2019 | 13h42

Partido Trabalhista vai apoiar May se negociar união aduaneira com UE

Londres - O líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, principal força da oposição britânica, ofereceu à primeira-ministra, Theresa May, o apoio a um acordo de saída do Reino Unido da União Europeia se o país negociar uma união aduaneira com a UE.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Arte das Bandeiras do Reino Unido e da União Europeia

Foto: Arte Osvaldo Pedro

As cinco condições do líder trabalhista incluem uma "união aduaneira permanente e abrangente em todo o Reino Unido" que implique "um alinhamento com o código alfandegário comum, uma tarifa externa comum e um acordo sobre política comercial que inclua poder de decisão do Reino Unido sobre os futuros acordos comerciais da União Europeia".

Corbyn também quer um alinhamento estreito com o mercado único da UE, um "alinhamento dinâmico dos direitos e protecções" para os trabalhadores, a participação em agências da UE e programas de financiamento e, por fim, acordos sobre segurança, como a manutenção do acesso ao mandado de detenção europeu.

O líder trabalhista vinca que May não terá o seu apoio apenas se obtiver concessões da União Europeia sobre a questão da fronteira da Irlanda do Norte.

Theresa May encontra-se hoje em Bruxelas com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, com o presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, e com o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.

Na sexta-feira, a primeira-ministra britânica viaja até Dublin para uma reunião com o homólogo irlandês, Leo Varadkar, quando vão faltar apenas 49 dias para a saída do Reino Unido da UE, a 29 de Março.

A fronteira aberta para a livre circulação de pessoas, bens e serviços é um compromisso assumido nos acordos de paz para o território assinados em 1998 pelos governos britânico e irlandês, no âmbito da União Europeia.

A solução prevista no Acordo de Saída negociado entre o governo e Bruxelas será activada se não estiver concluído um novo acordo comercial após o período de transição, no final de 2020, mantendo o Reino Unido na união aduaneira europeia e a Irlanda do Norte sujeita a certas regras do mercado único.

Conservadores eurocépticos e o Partido Democrata Unionista opõem-se, alegando que existe o risco de ficar em vigor por tempo indeterminado e de forçar a Irlanda do Norte a cumprir um quadro regulatório diferente do resto do país.

Esta posição contribuiu para a rejeição em 15 de Janeiro por uma margem de 230 votos do acordo negociado por Theresa May com Bruxelas e a aprovação por uma margem de 16 votos de uma proposta que defende a renegociação do tratado para substituir aquele mecanismo por uma alternativa.

A primeira-ministra prometeu que voltaria ao parlamento a 13 de Fevereiro para uma nova declaração sobre o 'Brexit' se não conseguir um novo acordo, a que se segue um novo voto dos deputados.

Assuntos Política  

Leia também
  • 07/02/2019 10:12:53

    Irão tenta lançamento de um novo satélite

    Teerão - O Irão vai tentar o lançamento de um satélite, o segundo desde o início do ano, indicam imagens de satélite, divulgadas pela empresa DigitalGlobe.

  • 06/02/2019 19:21:27

    UE aumenta tensão sobre Brexit na véspera de receber May

    Bruxelas - O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, atacou duramente nesta quarta-feira os defensores do Brexit, aumentando a pressão sobre o futuro incerto do acordo de divórcio, um dia antes da visita agendada da primeira-ministra britânica Theresa May.

  • 06/02/2019 17:04:50

    Guterres expressa apoio à reunião para saída política na Venezuela

    Nações Unidas - O secretário-geral da ONU, António Guterres, expressou nesta terça-feira o seu apoio à reunião sobre a Venezuela prevista para esta quinta-feira em Montevidéu e assegura que está a favor das tentativas para buscar uma saída negociada à crise, noticiou a EFE.