Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

07 Fevereiro de 2019 | 16h54 - Actualizado em 07 Fevereiro de 2019 | 16h53

Ucrânia cria lei que proíbe presença de observadores russos nas eleições

Kiev - O Parlamento ucraniano proibiu nesta quinta-feira, através de uma lei, a presença de observadores russos nas eleições presidenciais de 31 de Março.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Bandeira da Ucrânia

Foto: Foto divulgação

A lei, que teve o apoio de 232 deputados, seis a mais do que o necessário, tenta "minimizar os riscos e as ameaças de ingerência da Federação Russa nas eleições da Ucrânia".

Os deputados lembram que os grupos de observadores enviados por organizações internacionais não podem ter cidadãos russos, já que o próprio Parlamento considerou a Rússia como um Estado "agressor" e "ocupante". Tais observadores "podem ser motivo para um ataque informativo através de uma manipulação de factos relativos ao processo eleitoral".

O presidente ucraniano, Petro Poroshenko, já expressou a intenção de ordenar que guardas de fronteira impeçam a entrada de observadores russos no país. Enquanto, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Pavel Klimkin, afirmou que enviou ao Escritório para Instituições Democráticas e Direitos Humanos, da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), um pedido para que não sejam enviados observadores russos à Ucrânia.

A Comissão Eleitoral Central da Rússia considerou que tal proibição é uma violação por parte de Kiev das suas obrigações internacionais e disse acreditar que a OSCE não irá aceitar o pedido da Ucrânia. A proibição é para as eleições presidenciais, mas também para as parlamentares, que acontecerão no segundo semestre e as eleições locais.

Conforme informaram as autoridades ucranianas, mais de 850 observadores internacionais supervisionarão o desenvolvimento do pleito presidencial na Ucrânia, a maioria de países e instituições da Europa.

Poroshenko, no poder desde Maio de 2014, foi registado hoje como candidato pela Comissão Eleitoral Central (CEC). Desta forma, os três grandes favoritos nas pesquisas - Poroshenko, a ex- primeira-ministra Yulia Timoshenko e o comediante Vladimir Zelenskiy - já foram registados, da mesma forma que o quarto em desacordo, o pró-Rússia Yuri Boiko.

Até agora, 37 candidatos já foram registados, embora todos os especialistas prevejam que será necessário um segundo turno, em 21 de Abril, para chegar ao vencedor do pleito.

Assuntos Política  

Leia também
  • 07/02/2019 16:10:43

    May pede coordenação urgente à União Europeia para concretizar Brexit

    Londres - A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, vai solicitar à União Europeia nesta quinta-feira (7) a trabalhar com ela para mudar o acordo de separação e ajudá-la a conseguir o apoio de um Parlamento britânico dividido para suavizar o rompimento do país com o bloco.

  • 07/02/2019 12:44:56

    Partido Trabalhista vai apoiar May se negociar união aduaneira com UE

    Londres - O líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, principal força da oposição britânica, ofereceu à primeira-ministra, Theresa May, o apoio a um acordo de saída do Reino Unido da União Europeia se o país negociar uma união aduaneira com a UE.

  • 07/02/2019 10:12:53

    Irão tenta lançamento de um novo satélite

    Teerão - O Irão vai tentar o lançamento de um satélite, o segundo desde o início do ano, indicam imagens de satélite, divulgadas pela empresa DigitalGlobe.