Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Lazer e Cultura

16 Agosto de 2019 | 17h36 - Actualizado em 16 Agosto de 2019 | 17h36

Grupo de teatro Amor a Arte sugere abertura de mais salas

Luanda - A encenadora do grupo teatral Amor a Arte, Mariza Júlio, sugeriu hoje (sexta-feira) em Luanda, a abertura de mais salas para que os grupos possam exibir-se com regularidade.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Teatro

Foto: Rosário dos Santos

A encenadora fez estas declarações quando falava sobre o estado do teatro em Luanda, tendo afirmado que os grupos continuam com dificuldades de encontrar salas para as suas exibições, apontando a LAASP como o único espaço de referência, mas que não corresponde com a procura.

Mariza Júlio sugeriu a construção de novos locais ou a reabilitação de outros espaços culturais nos municípios, onde se poderiam fazer a divisão percentual mais acessível com o Governo da província, concretamente com a direcção da cultura.

A artista reconheceu que a iniciativa privada para que surjam novas salas são sempre benvindas, mas apontou os preços praticados para a utilização dos recintos como um entrave, visto que os donos das salas ficam com 60 por cento dos lucros .

Apesar do surgimento de mais duas salas para o teatro, o Royal Plaza e a Casa das artes, estas ainda não são suficientes para a demanda existente em Luanda, lembrando que o Teatro Avenida foi derrubado há 12 anos e não foram encontradas soluções para minimizar a carência de espaços.

Segundo a atriz, os grupos são integrados normalmente por mais de 10 elementos e fica muito difícil fazer a gestão dos membros da agremiação com os preços praticados.

Mariza Júlio explicou que os grupos pagam as salas, a publicidade, fazem a caracterização e todos estes encargos fazem com que os actores sobrevivam, ou seja exibem-se por amor a arte, obrigado os fazedores de teatro a terem outras profissões .

Em termos de desenvolvimento técnico, prosseguiu a atriz , a classe está melhor, depois do Governo ter aberto duas escolas de artes, um instituto médio e um superior, locais onde os fazedores de artes desenvolvem as suas aptidões de forma teórica e prática.

No entanto apelou aos Governos provincial e municipais a criarem Centros Profissionais de Artes para apoiar aqueles actores que actuam há muitos anos, mas não puderam frequentar uma escola de artes ou tenham formação em outras áreas do saber.

Segundo Mariza Júlio desta forma estes actores poderão aumentar os seus conhecimentos e aprender a rentabilizar financeiramente os seus grupos.

A atriz acredita que as obras exibidas são de boa qualidade, por estes motivo os espectáculos têm uma boa adesão do público, os grupos estrangeiros reconhecem a qualidade das peças e muitas companhias são convidadas a actuar além fronteira.

O que falta neste momento, na opinião da encenadora, é as autoridades assumirem o seu papel para que as artes cênicas possam auto-sustentar-se.

A encenadora enalteceu o valor social que o teatro aumenta nas comunidades, permitido que com as sua acção directa mude as consciências das pessoas e muitos jovens conheçam o real valor da educação moral e cívica.

A dramaturga acredita que o Governo de Luanda perde uma excelente oportunidade de, junto com os grupos de teatro, realizar acções concretas contra o uso de drogas, assaltos, alcoolismo e prostituição nas comunidades .

 A Mariza Júlio afirmou que o teatro tem uma das melhores formas de compreensão, dai a necessidade das autoridades de Luanda reunir com os grupo e junto traçarem planos que reduzam estes males que proliferam nos bairros e preocupam a todos.

A interlocutora adiantou que a província vive problemas sociais de vária ordem e por vezes a comunicação usada pelas autoridades locais não chegam aos cidadãos, cabendo a cultura, através do papel social do teatro comunitário, alcançar a todos .

O grupo Amor a Arte foi criado em 2007, conta com 14 integrantes com idades entre os 21 aos 36 e fazem os seus ensaios no espaço da Xando produções, no distrito da Samba. Exibiram as peças O resultado , Verdadeiro sangue , Escrito nas estrela, Cuidado com a boca e Distancia não é barreira .

Assuntos Província » Luanda   Teatro  

Leia também
  • 09/08/2019 15:40:40

    Amazonas Teatro estreia "Alembamento da Cantina"

    Luanda - O grupo Amazonas Teatro estreia a peça "Alembamento da Cantina", no dia 18 deste mês, na Liga Africana, em Luanda.

  • 02/08/2019 22:42:29

    Salas Neto lança obra literária "As Kassumunas do Bairro Indígena"

    Luanda - "As Kassumunas do Bairro Indígena " (Ensaio para uma autobiografia avulsa) é a nova obra literária do jornalista Salas Neto, apresentada esta sexta-feira, na Casa de Cultura Njinga Mbande, no distrito urbano do Rangel, em Luanda.

  • 26/07/2019 19:22:57

    Jovens da CPLP devem dedicar-se a formação - governador

    Luanda - Os jovens criadores de arte da CPLP foram convidados hoje (sexta-feira), em Luanda, pelo governador provincial de Luanda, Sérgio Luther Rescova Joaquim, a inspirarem-se nas maiores referências culturais dos seus países, durante a produção das suas obras e dedicar-se a formação.