Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Ambiente

18 Agosto de 2019 | 23h08 - Actualizado em 18 Agosto de 2019 | 23h11

Suíça: Plenária da COP18 vota contra comércio de elefantes vivos

Genebra- ( do enviado especial) - A proposta sobre transferência e comércio internacional do elefante africano vivo para fora do continente africano mereceu , neste domingo,votos de rejeição pela maioria dos delegados, incluindo de Angola, que participaram na sessão plenária da 18ª Conferência das Partes sobre Comércio Ilegal da Fauna e Flora Selvagem (cop18), que decorre em Genebra, Suíça.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

MANADA DE ELEFANTES

Foto: preparado Zita Gonçalves

A referida proposta  foi submetida  por um grupo de países, entre os quais, o Burkina Faso, Jordânia, Líbano, Libéria, Níger,  Sudão, Síria a República da Arábia.

O documento teve  dos delegados 46 votos de rejeição, num total de 71,88% e 19 abstenções.

Os referidos países baseiam- se na revisão do texto da resolução da conferência 11.20 (COP17), sobre os termos apropriados e destinos de aceitação, clarificando a definição do elefante africano nos termos in loco dos programas de conservação do seu natural alcance.

A  divisão em dois anexos (l e ll) da Convenção sobre o Comércio Ilegal da Fauna e Flora Selvagem (CITES) do elefante africano  tem criado disposições diferentes para a sua conservação, por parte de alguns países.

De acordo com o documento da referida proposta a que Angop teve acesso, os países baseiam-se no facto que as populações de elefantes  africanos  da África do Sul, Zimbabwe, Botswana e Namibia estarem alistados  no Anexo ll e terem aumentado a sua população

o que sujeitos a uma anotação com propósito exclusivo de permitir o comércio de animais vivos para destinos apropriados e aceitáveis conforme definido na conferência 11.20, da COP17.

Angola foi contra a proposta de transferência e comércio de elefantes vivos fora de África, pelo facto de ter alistado o elefante africano no Anexo l que defende a conversação da espécie e por desconhecer o número da sua população.

A delegação angolana na COP18 participou em outros eventos paralelos relacionados ao comércio da carne de caça, do Pangolin, sobre o programa da União Europeia sobre o monitoramento the morte Ilegal de elefantes (Mike sigla em inglês)  e na reunião de apoio às comunidades.

O evento  que decorre no centro de conferências de Palexpo encerra a 28 do corrente mês.