Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

13 Março de 2020 | 13h18 - Actualizado em 13 Março de 2020 | 19h26

Mais de doze mil jovens frequentam cursos profissionais

Luanda - Doze mil 268 jovens de ambos os sexos estão matriculados em Luanda para frequentar o ciclo formativo 2020 nos centros tutelados pelo Instituto Nacional de Formação Profissional (INEFOP).

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Formadores do INEFOP

Foto: Leonaldo Castro

Os centros ministram, em 9, 4 e 3 meses, cursos de informática, electricidade, corte e costura, serralharia civil, canalização carpintaria, agricultura, frio, climatização, mecânica, pedreira decoração, mesa, bar, inglês, gestão e contabilidade, dentre outros, e dos jovens matriculados 8.760 são do sexo masculinoe 3.508 feminino.

Ao falar na cerimónia de abertura oficial do ciclo de formação 2020, o secretário dos serviços provinciais do INEFOP, Barros Pululu Roger, disse que estes cursos irão contribuir para a materialização das políticas do Governo no âmbito do Plano de Desenvolvimento Nacional (PDN) 2018/2022, um instrumento de planeamento de médio prazo na promoção sócio económico e territorial do país.

“As formações profissionais contribuem para dar resposta a um dos grandes desafios da sociedade que é a formação de técnicos capazes de responder ao actual estado de desenvolvimento do país”, disse.

O sistema de formação profissional em Luanda conta com 13 centros de formação profissional, quatro de Integração de Emprego e Formação Profissional, duas escolas Rurais, quatro centros móveis, 14 pavilhões de formação de artes e ofícios e quatro de empreendedorismo, que ministram 152 cursos

Malanje

Setecentos e 21 jovens estão matriculados nos centros de artes e ofícios afectos aos serviços provinciais do INEFOP, dos municípios de Malanje, Mucari, Cangandala e Calandula,  mais 50 alunos em relação a 2019.

Os formandos vão frequentar os cursos de electricidade, carpintaria, serralharia, agricultura, contabilidade, alvenaria, canalização, mecânica, corte e costura, decoração, informática, inglês e secretariado.

O chefe dos serviços provinciais do INEFOP, Rui Bravo, que falava na abertura do ciclo formativo 2020, fez saber que este ano inscreveram-se 868 candidatos, mas apenas 721 foram apurados, mediante teste de aptidão.

Reiterou que as sete unidades formativas tuteladas pelo INEFOP em Malanje, ainda não atendem a demanda cada vez crescente por cursos profissionais, pelo que o órgão está a gizar um plano com o Governo Provincial, com vista a aumentar a oferta.

Em 2019, 576 jovens, dos 671 matriculados, foram formados nos centros de artes e ofícios controlados pelos serviços provinciais do INEFOP e tutelados pelo Ministério da Administração Pública, Trabalho e Segurança Social. Nos últimos cinco anos, foram formados mais de 6 mil jovens nas diferentes especialidades.

O INEFOP na província conta com 7 unidades de formação profissional, nomeadamente o Centro da Maxinde, pavilhões de artes e ofícios dos municípios de Cangandala e Calandula, bem como a cidadela Jovem de sucesso de Mucari e três centros pro-trabalho dos bairros Cangambo e Catepa, na cidade de Malanje.

Cuando Cubango

Seiscentos e oitenta e um formandos, dos 1549 inscritos inicialmente, estão matriculados para o ciclo formativo-2020, na província do Cuando Cubango, dos quais 577 são do sexo masculino.

O chefe do serviço provincial do Instituto Nacional de Emprego e Formação Profissional (INEFOP) no Cuando Cubango, Xavier Cutatela Chicuata, disse que os formandos estão matriculados nas especialidades de alvenaria, canalização, contabilidade, carpintaria, corte e costura, electricidade, culinária e pastelaria, mecânica, empreendedorismo, inglês, informática, montagem de antena parabólica, secretariado, gestão e serralharia.

Na sua intervenção, na cerimnia de abertura da formação, a vice-governadora do Cuando Cubango para o sector político, social e económico, Carla Cativa, disse que a formação técnico-profissional visa preparar o indivíduo para que obtenha conhecimentos e utensílios necessários para o mercado de emprego com segurança e habilidades.

Reconheceu que o Estado por si só não consegue dar emprego a todos os cidadãos, mas que trabalhando em estreita colaboração com indivíduos detentores de certas profissões criar projectos que garantam empregabilidade e buscar financiamento, ainda que por meio de créditos bancários.

De acordo com Carla Cativa, a situação delicada que o país vive do ponto de vista de receitas económicas atestou que não se pode depender tão-somente de recursos naturais para o Orçamento Geral do Estado, mas é necessário encontrar outras iniciativas que concorram para o aumento das fontes de receitas.

É nesta perspectiva, segundo recordou, o governo desdobra-se actualmente no processo de diversificação da economia, onde os jovens são chamados a contribuir com a sua criatividade, razão pela qual, entre vários disponíveis, o grande destaque recai para o de empreendedorismo.

“Precisamos de jovens empenhados, com a sua formação no presente, para que possam num futuro próximo, com os conhecimentos e aptidões adquiridas, dar sequência do processo de desenvolvimento”, defendeu.

Bié

Dezasseis cursos estão disponíveis no Instituto Nacional de Formação Profissional (INEFOP) para a formação técnico-profissional de 721 cidadãos inscritos com idades compreendidas entre 14 a 65 anos de idade.

Para o efeito estão disponíveis 38 formadores distribuídos em cinco pavilhões de artes e ofícios nos municípios do Andulo, Camacupa, Chinguar e Andulo.

Durante nove meses, os formandos vão apreender ofícios em Culinária, Pastelaria, decoração, Informática, hardware, mecânica, carpintaria, serralharia, electricidade, electrónica, alvenaria e construção civil, pintura-auto, bate-chapa e empreededorismo.

Zaire

Setecentos e 84 jovens, dos quais 177 do sexo feminino, iniciaram o ciclo formativo em artes e ofícios referente ao ano de 2020, mais 158 formandos em comparação ao ano passado.

Estão disponíveis quatro unidades formativas, nomeadamente o Centro Integrado de Emprego, no município do Soyo, o Centro Móvel de Mbanza Kongo e dois Pavilhões de Artes e Ofícios implantados nas circunscrições do Cuimba e Tomboco.

Com a duração de nove meses, os jovens vão frequentar cursos de pastelaria, decoração, corte e costura, electricidade, mecânica-auto, serralharia, alvenaria, canalização, carpintaria, marcenaria, entre outras especialidades.

A formação visa alinhar os jovens ao Plano de Acção para a Promoção da Empregabilidade (PAPE) gizado pelo Executivo.

O governo local está a trabalhar para expandir os serviços de formação provincial em todos os municípios da região.

Actualmente, o INEFOP está implantado nos municípios de Mbanza Kongo, Soyo, Nzeto e Cuimba. Falta as circunscrições do Tomboco e Nóqui.

O centro de formação profissional do Kiowa em Mbanza Kongo poderá entrar em funcionamento dentro em breve para acolher mais jovens e aumentar o número de cursos.

Leia também
  • 13/03/2020 19:33:30

    Aldeia Nissi beneficia de dois autocarros

    Cuito - A população da Aldeia Nissi, na comuna do Cunje, sete quilómetros a norte do Cuito (Bié), beneficiou hoje, sexta-feira, de dois autocarros com a capacidade para 62 pessoas, das quais 34 sentadas.

  • 13/03/2020 19:12:07

    Secretário de Estado destaca integração de ex-militares

    Cuito - O secretário de Estado para Acção Social, Lúcio de Amaral, destacou hoje, sexta-feira, no Cunhinga (Bié), a integração sócio-profissional dos ex-militares como uma das componentes para estabilidade social, fortalecimento da paz, da democracia e da reconciliação nacional.

  • 12/03/2020 20:06:40

    Projecto "Minha Terra" prioriza associações

    Malanje - O projecto "Minha Terra", que visa a atribuição de direitos fundiários às comunidades detentores de parcelas de terra, vai priorizar numa primeira fase camponeses inseridos em associações e cooperativas, anunciou hoje (quinta-feira), o secretário de Estado do Ordenamento do território, Manuel Marcos Pimentel.