Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

05 Abril de 2020 | 23h48 - Actualizado em 07 Abril de 2020 | 11h43

Covid-19: Desobediência e desacato persistem

Luanda - A desobediência de alguns cidadãos, a resistência e agressão às forças de defesa e segurança, continuam a marcar, pela negativa, o regime de Estado de Emergência em vigor no país desde o dia 27 de Março, para prevenir a propagação do novo Coronavírus (Covid-19).

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Waldemar José , Porta-Voz do ministério do interior

Foto: Gaspar dos Santos

Desde que teve início o Estado de Emergência, alguns cidadãos têm violando o Decreto Presidencial, que restringe a livre circulação das pessoas, obrigndo-as ao confinamento, segundo o porta-voz do Ministério do Interior, sub-comissário Waldemar José.

Ao falar das medidas de emergência no âmbito da Covid-19 disse, a título de exemplo, que nas últimas 24 horas, em Luanda, um jovem enfrentou um agente da Polícia Nacional, tantando desarmá-lo depois de ter sido aconselhado a voltar para casa.

Dessa acção, resultou um disparo de arma de fogo, que atingiu um cidadão que se encontra hospitalizado, adiantou Waldemar José na conferência de imprensa diária

Ainda de acordo com o porta-voz, em Benguela, oito pastores da Igreja do Sétimo Dia foram detidos, por realizarem cultos com mais de 258 pessoas, apesar de, ao abrigo do Estado de Emergência, estar suspensa a realização desse tipo de actividades, para evitar aglomerações.

Também em Benguela, no mercado da Baia Farta, foi detido um indivíduo por comercializar carne de cão, informou Waldemar José, acrescentando que, na Lunda Norte, as forças de defesa e segurança detiveram quatro líderes da Igreja do Sétimo Dia, por insistirem na realização de cultos com muitas pessoas.

Semelhante comportamento verificou-se no Cuanza Sul, onde um diácono foi detido por realizar culto no interior da sua casa, com mais de 10 fiéis, pondo em risco a saúde da própria família, ainda segundo o porta-voz..

No Moxico, de acordo com o oficial da polícia, foram detidos dois cidadãos chineses que circulavam sem justa causa e tentaram corromper efectivos policiais com mil e 500 kwanzas, enquanto na Huila ocorreu a detenção de um cidadão nacional por aglumerar várias pessoas numa barbearia.

Na Huila, foi detido um cidadão por se insurgir contra as forças de defesa e segurança, chegando a retirar o porete a um dos polícias, salientou o porta-voz, e em Malanje, a Polícia Nacional deteve duas pessoas por desobediência e enfrentamento às autoridades.

Ainda nessa localidade, disse, alguns cidadãos arremessaram objectos contundentes contra as forças de defesa e segurança e danificaram uma viatura da polícia, por ter desactivado um mercado vetado.

Waldemar José informou que a Polícia Nacional, no Huambo, foi obrigada a dispersar mais de 75 indivíduos que jogavam futebol.

Diante desse cenário, disse, as forças da ordem e segurança poderão tomar medidas coercivas mais enérgicas e proporcionais à conduta dos cidadãos.

Dados gerais indicam a detenção, nas últimas 24 horas, de 81 pessoas em todo país, sendo 68 por desobediência, seis por resistência, quatro por exercício ilegal da actividade de moto-taxi, duas por tentativa de suborno e uma por ofensas corporais.

As detenções ocorreram nas províncias de Luanda, Benguela, Namibe, Bié, Lunda Norte, Huambo, Cuanza Sul, Bengo, Zaíre  e Uíge.

Apreensões

O porta-voz do Ministério do Interior revelou que, nesse período, foram apreendidas 135 viaturas por excesso de lotação e 324 motociclistas que exerciam a actividade à margem do Decreto Presidencial.

Afirmou que, dessas apreensões, 99 foram feitas em Benguela, 86 (Luanda), 65 (Cabinda), 54 (Uíge), 48 (Namibe), 40 (Bié), 20 (Zaire), 17 (Lunda Norte), 16 (Bengo) e 7 (Malanje).

Ainda a nível nacional, foram encerrados 29 mercados informais e 11 estabelecimentos comerciais, por exercerem actividade coemercial sem observância das mínimas condições higiénicas, segundo Waldemar José têm sido julgados, sumariamente, quatro indivíduos por desobediência e especulação de preços.

Mensagens ofensivas nas redes sociais

Relativamente às mensagens ofensivas que desde sábado (04) circulam nas redes sociais, contra cidadãos asiáticos, o porta-voz do Ministério do Interior considerou-as como um acto que pode provocar insegurança à comunidade estrangeira.

Alertou que o teor dessas mensagens instiga a violência, isso aconteceu um dia depois de dois vietnamitas terem cuspido no chão dentro de um estabelecimento comercial. Advertiu que as pessoas que continuarem com essas práticas serão responsabilizadas criminalmente.

Por outro lado, Waldemar José desmentiu a informação divulgada nas redes sociais sobre a morte de um polícia, por suposto espancamento perpetrado por colegas, afirmando tratar-se de "um polícia encontrado embriagado no exercício das suas funções", que foi levado pelo seus colegas para uma esquadra, onde acabou por falecer.

Segundo o oficial, a perícia da medicina legal apurou que o polícia em causa morreu de ataque cardíaco. 

Dados divulgados domingo pelas autoridades sanitárias indicam que Angola registou 14 casos positivos de Covid-19, sendo que dois morreram, igual número de  recuperados e 10 estão em tratamento.

Assuntos Angola  

Leia também
  • 06/04/2020 23:03:06

    Telecomunicações e Comunicação Social fundem-se

    Luanda - O engenheiro Manuel Homem foi nomeado, nesta segunda-feira, ministro das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social.

  • 06/04/2020 20:28:52

    Cultos religiosos preocupam PN

    Luanda - As forças de defesa e segurança estão preocupadas com o crescente número de líderes religiosos que continuam a realizar cultos clandestinos, no interior de residências, acção que viola o Estado de Emergência contra o COVID-19.

  • 04/04/2020 21:24:28

    COVID - 19: Encerrados 35 mercados no país

    Luanda - Trinta e cinco mercados informais, entre os quais o do Kikolo (Luanda), um dos maiores do país a céu aberto, e 49 estabelecimentos comerciais foram encerrados pelas autoridades por insolubilidade, no âmbito das medidas para conter a propagação do novo Coronavírus.