Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Transporte

31 Maio de 2020 | 13h32 - Actualizado em 31 Maio de 2020 | 13h41

Comissários de bordo "desafiam" Covid-19 em voos especiais

Luanda - Habituados a viajar com regularidade, pelo menos uma vez por semana, dependendo da escala e/ou demanda, o Pessoal Navegante de Cabine, também conhecidos como comissários (os homens) e aeromoças (mulheres) vêem essa paixão "coartada" pela covid-19.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Assistentes de bordo (Pessoal Navegante de Cabine), profissionais indispensáveis em voos comerciais, celebram mundialmente 90 anos de actividade

Foto: Lucas Neto

À semelhança de profissionais de outras áreas, mormente as relacionadas com actividades imprescindíveis em períodos de crise, esses aeronáuticos estão limitados, nesta época de isolamento social, a trabalhos excepcionais, para o caso concreto voos especiais, sob riscos.

 Assim, desde Dezembro de 2019, com o despoletar do novo coronavírus (covid-19),  na cidade chinesa de Wuhan, somente um grupo restrito dessa classe trabalhadora continua a viajar, a nível mundial, “atrelados” em voos humanitários quer de mercadorias quer de passageiros.

Isso, está a fazer com que o Dia do Pessoal Navegante de Cabine, celebrado internacionalmente hoje, dia 31 de Maio, passe despercebido, dada à pandemia, que praticamente paralizou o Mundo, com milhares de infecções e de mortes, forçando a suspensão da actividade aérea.

Segundo um balanço da agência noticiosa francesa AFP, até às 20h15 GMT de sexta-feira (dia 30), a doença causada pelo novo coronavírus havia já infectado mais de seis milhões de pessoas em todo o mundo (em 196 países), dois terços das quais na Europa e Estados Unidos.

Os dados apontam para 6.000.867 casos de contaminação oficialmente diagnosticados, com pelo menos 366.848 mortes registadas. A Europa é o continente mais afectado, com 2.135.170 casos (177.595 mortes), e os EUA são o país com mais infectados (1.760.740) e mortes (103.472).

Sobre essa matéria, Angola regista, até à presente data, 84 casos positivos, dos quais quatro óbitos, 18 recuperados e 62 activos, com um paciente que carece de cuidados especiais. Entre os infectados constam duas crianças de um bebé de dois meses de idade.

Em virtude desses números e da rápida e contínua propagação da doença, milhares de empresas de vários ramos em todo o Mundo, incluindo esse país da África Austral, encerraram as actividades, afectando fortemente as economias nacionais e global, com o sector da aviação civil a registar perdas incalculáveis.

A propósito, nos finais de Abril, a Associação Internacional do Transporte Aéreo (IATA, sígla em inglês) reviu em alta a previsão de perdas para as companhias africanas, estimando agora uma quebra de seis mil milhões de dólares e a perda de metade dos empregos devido à pandemia.

Em Angola

Com a cerca sanitária nacional e internacional, a companhia nacional de bandeira, a única comercial sobrevivente, está autorizada apenas a realizar voos humanitários e a transportar mercadorias, no quadro da prevenção e combate à pandemia.

Assim, na sequência do encerramento das fronteiras, por força da covid-19, a TAAG deixou de realizar, em média, 32 voos por dia, dos quais 15 internacionais e 17 domésticos, todos consubstanciados no transporte de passageiros, com prejuízos na ordem dos 70 a 80 por cento.

como em outras partes, em Angola, o Pessoal Navegante de Cabine (PNC) também está limitado a viajar, esporadicamente, em voos homanitários ou especiais excepcionais, uma tarefa exclusiva da companhia nacional de bandeira, a TAAG, que rompe fronteiras nacionais e internacionais.

Eis então que, acometidos pelo novo coronavírus, esses profissionais passaram a movimentar em serviço, pela necessidade de a TAAG ter de resgatar angolanos retidos no exterior e de transportar as 380 toneladas de equipamentos de biossegurança da China para Angola.

Sem concorrência, essa operadora tem estado também a distribuir médicos e equipamentos de biossegurança pelas 18 províncias do país, com os assistentes de bordo a garantirem o conforto e segurança dos passageiros, particularmente técnicos envolvidos no combate à covid-19.

Contudo, em Angola, a efeméride é “coroada” com uma sucessão de ameaças de greve, desde Janeíro, por parte do Sindicato do Pessoal Navegante de Cabine (SINPROPNC) da TAAG - Linhas Aéreas de Angola, em reinvindicação a não actualização dos subsídios de horas de voos.

Desde então, os sindicalistas reclamam também pela manutenção do regime de disponibilidade e defendem a melhoria das regalias sociais e revisão do regime de facilidade de bilhetes de passagem, bem como das condições de trabalho e a humanização das escalas.

No entanto, o SINPROPNC, que aguarda por soluções difinitivas até Julho,  comprometera-se em assegurar a prestação dos serviços mínimos indispensáveis e outros que em função das circunstâncias concretas e imprevisíveis venham a mostrar-se também imprescindíveis.

Enquanto isso, em pleno dia de celebração do PNC, a SonAir encerra, a partir de hoje (dia 31), as operações de voos domésticos em aeronaves do tipo Beechcraft 1900 D, para as rotas Luanda/Soyo/Luanda; Luanda/Cabinda/Luanda, e os voos interprovinciais entre Soyo e Cabinda.

Criada a 16 de Fevereiro de 1998 em Luanda , a SonAir é uma das subsidiárias do Grupo Sonangol, tendo como "core business" apoiar a indústria do petróleo. Além dos voos domésticos a SonAir cobre a rota Luanda-Houston, chamado "Houston Express", operado pela Atlas Air

Origem da data e designação oficial

Embora neste ano de 2020, este confrontado com a inédita covid-19, o Dia Internacional do Pessoal Navegante de Cabine é celebrado mundialmente desde 1930 por reivindicação de Ellen Church, apaixonada por aviação mas impossibilitada de pilotar uma aeronave por ser mulher.

Pelo facto, a enfermeira sugeriu, à Boeing Air Transport, na altura, que colocasse enfermeiras a bordo dos aviões para cuidar da saúde e segurança dos passageiros durante o voo, devendo as mesmas serem solteiras, sem filhos e obedecerem a um padrão de peso e altura.

A ideia fez muito sucesso, pois as mulheres a bordo passavam segurança aos passageiros, já que pessoa desse sexo era considerada uma figura de fragilidade, e tendo mulheres a trabalhar durante o voo passava-se a mensgem de que o avião não era tão perigoso quanto se pensava.

Reza a história que devido a Segunda Guerra Mundial, as enfermeiras foram convocadas para os campos de batalha, pelo que as companhias aéreas então começaram a colocar mulheres de nível superior a bordo, em representação da marca, sem contudo perder o charme e a elegância.

Com o andar do tempo, a profissão popularizou-se e perdeu o símbolo sensual que possuía. Foi então que surgiu o "aeromoço", já que as funções do comissário aumentaram devido ao crescente fluxo de passageiros, o que exigia mais do profissional.

A nível da aviação comercial, o Pessoal Navegante Comercial (PNC) ou Pessoal de Cabine (PC) constitui o grupo de profissionais que actua nas cabines de passageiros das aeronaves, assistindo-os, garantindo o seu o conforto e zelando pela sua segurança.

Genericamente, os profissionais do PNC são designados "comissários de bordo”, "comissãrios de voo” ou simplesmente "comissários". Quando do sexo feminino, o/a profissional é, formalmente, tratado por "comissária", “assistente”, “aeromoça” ou “hospedeira do ar”, dependendo do país.

Em rigor, integra a tripulação de um avião comercial, juntamente com o pessoal navegante técnico (pilotos, navegadores e técnicos de voo), que há 90 (desde a instituição da data) assegura interligação do mundo, promove a cultura entre povos, a troca comercial e a cooperação entre Estados.

Assuntos Aviação   Transporte  

Leia também
  • 18/05/2020 14:35:27

    Covid-19: TAAG exclusiva na transportação de equipamentos

    Luanda - O Presidente da Comissão Executiva da TAAG, Rui Carreira, assegurou, neste domingo, que esta operadora está preparada para realizar, de forma exclusiva, os voos de carga e humanitários solicitados pelo Executivo Angolano no quadro da luta contra a covid-19.

  • 17/05/2020 21:03:40

    Estudantes angolanos na Rússia desembarcam em Luanda

    Luanda - Pelo menos 250 estudantes angolanos na Rússia desembarcaram ao princípio da noite deste domingo em Luanda, numa viagem apoiada pelo Governo de Angola e pela TAAG.

  • 07/05/2020 18:25:39

    Bagagens "perigosas"

    Luanda - Viajar descontraído, com uma pequena mala embutida na cabine do avião, é uma prática que há várias décadas se tornou popular nos vigiados aeroportos de todo o mundo.