Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Informações » Sobre Angop » História

História

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Um salto para o futuro

A Agência Angola Press (ANGOP) entra no ano 2013 com um quadro tecnológico e humano em constante transformação e actualização, em consonância com a modernidade dos meios de telecomunicações e de comunicação social, factores que concorrem para a concretização do seu grande desafio e sonho, o de se transformar numa grande empresa multimédia.

A empresa foi criada em Julho de 1975 sob a designação de Agência Nacional Angola Press (ANAP). Nessa altura, os seus trabalhos eram distribuídos sob a forma de boletim. Em Outubro do mesmo ano, a ANGOP adopta a sua actual e definitiva denominação, Agência Angola Press, sob proposta do então Presidente da República, António Agostinho Neto, e lança, no dia 30 daquele mês, o primeiro despacho com a nova sigla.

Três anos depois, a 2 de Fevereiro de 1978, a agência foi transformada em órgão estatal de comunicação social, com a publicação do decreto presidencial 11/78, de 2 de Fevereiro, no Diário da República. A partir daí, estavam lançadas as bases para o seu crescimento e desenvolvimento, que viria a conhecer momentos áureos na década de 80. Nessa época, a ANGOP já contava com cerca de 300 trabalhadores, a maioria jornalista, com um labor ininterrupto, 24 horas ao dia, em todo o país (18 províncias) e no estrangeiro com cinco delegações (Portugal, Brasil, Reino Unido, Zimbabwe e Congo).

 
Prémios

Essa qualidade de produção fez com que as principais agências internacionais utilizassem a ANGOP como fonte de informação ou que fizessem parcerias com a mesma. Entre as várias Agências com que a ANGOP trabalhou durante todos esses anos, estão a Reuters, AP, AFP, EFE, ANSA, TANJUG, IPS, Prensa Latina, Xinhua, Tass, AIM (Moçambique), ST-Press (São Tomé), ANG (Guiné-Bissau), VNA (Vietname), BTA (Bulgária), ADN (da então Alemanha Oriental), CTK (ex-Checoslováquia), PAP (Polónia), MTI (Hungria), Romena Press (Roménia), ATCC (Coreia do Norte), ANN (Nicarágua), APS (Argélia), AZAP (ex-Zaíre), ABP (Burundi) e a ACI (Congo Brazaville).

Membro do "Pool" das agências dos países não-alinhados desde a sua criação, a ANGOP chegou mesmo a assumir com grande êxito a sua presidência, de 1989 a 1992. Esse "pool" congrega no seu seio mais de cem países dos cinco continentes.

A ANGOP é igualmente membro da Aliança das Agências Noticiosas (ALP) dos Países da Comunidade de Língua Portuguesa (CPLP).

Como reconhecimento do grande empreendimento  ao longo dos anos, a ANGOP viu o seu esforço enaltecido com a atribuição, pela primeira vez, em 1990, e, depois, em 1992, do prémio “Estrela de Ouro Internacional de Qualidade”, concedido pela “Business Iniciative Directions” (BID), e, igualmente, em 1996, com o "World Quality Commitment Award", atribuído pela JX BAN IMAGEM ARTE, ambas empresas com sede em Madrid. Em 2009, a empresa foi galardoada com o Prémio Maboque de Jornalismo, na categoria de Órgão Conceituado do Ano, pela excelência do seu trabalho jornalístico.

Ainda no mesmo ano, a empresa foi também agraciada com o troféu "Leão de Ouro", pela cobertura jornalística da 26ª edição da Feira Internacional de Luanda.

A agência voltou a ganhar outro “Leão de Ouro”, na categoria de “Imprensa Escrita”, no final da 30ª edição da Feira Internacional de Luanda, realizada de 16 a 21 de Julho de 2013.

 
Modernização

Com a guerra, a agência viu amputados os seus projectos de desenvolvimento, principalmente os de alargamento para o exterior, bem como um ambicioso programa de formação de quadros que se havia de seguir à concretização do processo de paz no país. Esse processo foi agravado com a destruição de algumas das suas infra-estruturas e morte de alguns funcionários devido ao conflito.

Contudo, o esforço em manter sempre informada a opinião pública nacional e internacional prossegue, apesar das consequências de uma guerra fratricida. No ano em que completou o seu 25° aniversário, a agência partiu para uma nova fase, em busca da modernização, tanto interna quanto externa, e, principalmente, na procura de contacto mais próximo e ágil com todo o planeta por meio de seu web site na Internet.

A partir de Junho de 2006, passou por um processo de modernização, que introduziu importantes avanços tecnológicos e transformou o seu web site num portal de Internet que, para além de divulgar um noticiário sempre actual, em multimédia, presta serviços à população angolana e divulga os atractivos económicos e turísticos de Angola.