Domingo, 17 de Janeiro de 2021
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Fundação alerta para aumento da violência contra cristãos no Burkina Faso


02 Dezembro de 2019 | 16h16 - Actualizado em 02 Dezembro de 2019 | 16h16

Mapa do Burkina Faso

Foto: Divulgação



Ouagadougou - A Fundação AIS (Ajuda à Igreja que Sofre) alertou hoje que "a violência armada contra as comunidades cristãs tem vindo a acentuar-se" no Burkina Faso, onde no domingo um ataque a uma igreja protestante fez pelo menos 14 mortos.


"Tem crescido, nos últimos tempos, a violência contra as comunidades cristãs no Burkina Faso", adiantou a instituição, segundo a qual o ataque de domingo, ocorrido em Hantoukoura, "terá sido executado por um dos vários grupos 'jihadistas' que operam na região".

Segundo fontes da Fundação AIS no Burkina Faso, citadas em comunicado hoje divulgado, está-se perante "uma situação muito difícil de gerir", que desencadeou já uma onda de solidariedade que envolve também elementos da população muçulmana.

Já em Agosto, o presidente da Conferência Episcopal do Burkina Faso e do Níger, o bispo de Dori, Laurent Birfuoré Dabiré, denunciara os massacres de cristãos por parte de grupos 'jihadistas' que "estão mais bem armados e equipados" do que os elementos do exército nacional.

"Se o mundo continuar a não fazer nada, o resultado será a eliminação da presença cristã" no país, alertou o bispo na ocasião.

Os ataques, atribuídos a grupos jihadistas, contra igrejas cristãs ou outras aumentaram recentemente no Burkina Faso, um país do Sahel, na África Ocidental.

A 26 de Maio, quatro fiéis foram mortos num ataque a uma igreja católica em Toulfé, uma cidade do norte do país.

No dia 13 de Maio, quatro católicos foram mortos numa procissão em honra à Virgem Maria, em Zimtenga, também no norte.

No dia anterior, seis pessoas, incluindo um sacerdote, foram mortas num ataque durante a missa numa igreja católica em Dablo, um município da província de Sanmatenga.

A 29 de Abril, seis pessoas foram mortas num ataque à igreja protestante de Silgadji.

Em meados de Março, o padre Joël Yougbaré, sacerdote de Djibo (norte), foi sequestrado por homens armados.

No dia 15 de Fevereiro, o padre César Fernández, missionário salesiano de origem espanhola, foi assassinado no centro do Burkina Faso.

Vários imãs também foram assassinados por jihadistas no norte do Burkina Faso desde que os ataques começaram, há quatro anos.