Quarta, 20 de Janeiro de 2021
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Professores e estudantes continuam a protestar na Argélia


13 Março de 2019 | 14h32 - Actualizado em 13 Março de 2019 | 14h32

Argel - Centenas de professores e estudantes protestam nesta quarta-feira no centro de Argel contra o prolongamento indefinido do quarto mandato do presidente Abdelaziz Buteflika.


"Não ao prolongamento do quarto mandato" e "Um futuro melhor para os nossos filhos", afirmavam os cartazes exibidos durante a manifestação.

A decisão, considerada uma artimanha de Buteflika de desistir de disputar um quinto mandato e adiar as eleições acirrou ainda mais o movimento de protesto, que se repete quase diariamente na Argélia.

Terça-feira, o logotipo inicial das manifestações que começaram em 22 de Fevereiro - um "5" dentro de um círculo e riscado em vermelho - se tornou um "4" para protestar contra a extensão do quarto mandato.

Frente a estes protestos inéditos em 20 anos de poder, o presidente de 82 anos anunciou nesta segunda-feira que desistia de disputar um quinto mandato.

Mas ao mesmo tempo, adiou sem marcar nova data as eleições presidenciais previstas para 18 de Abril, prorrogando de facto o seu mandato actual até o próximo pleito, que segundo anunciou Buteflika, serão convocadas após a realização de uma conferência nacional que poderia durar até o fim deste ano.

Mas nas redes sociais, a hashtag "Movimento_de_15_de_Março" substituiu os anteriores de 22 de Fevereiro, 1 e 8 de Março, as últimas três sextas-feiras, quando houve grandes manifestações.

A hashtag sugere uma nova manifestação para a próxima sexta-feira em protesto contra o que se considera uma manobra do presidente argelino para se perpetuar no poder.

Buteflika retornou à Argélia no último domingo depois de duas semanas de internamento na Suíça para "exames médicos de rotina".

Ao comprometer-se "a entregar os poderes e prerrogativas de presidente da República ao sucessor que o povo argelino escolher
livremente", Buteflika indica implicitamente que seguirá como chefe de Estado até o final do seu mandato, em 28 de Abril de 2019.