Domingo, 07 de Março de 2021
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

OMS considera "horríveis e desoladoras" acusações de abusos sexuais


01 Outubro de 2020 | 12h33 - Actualizado em 01 Outubro de 2020 | 12h33

Simbolo da OMS

Foto: Pesquisa



Genebra - A directora regional da Organização Mundial de Saúde para África, Matshidiso Moeti, considerou hoje "profundamente horríveis e desoladoras" as alegações de exploração e abuso sexual contra mulheres na República Democrática do Congo (RDC) no contexto da resposta à epidemia de Ébola.


"As alegações de exploração e abuso sexual por parte dos trabalhadores humanitários, que se identificaram como trabalhando para a Organização Mundial de Saúde na resposta ao Ébola na RDC são profundamente horríveis e desoladoras", afirma Matshidiso Moeti, numa declaração divulgada pela agência das Nações Unidas.

Moeti manifesta o "forte apoio" à decisão do director-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, de abrir um "inquérito minucioso das alegações" e compromete-se a "tudo fazer" ao seu alcance "para contribuir e assegurar que uma investigação completa, justa e transparente tenha lugar no mais curto espaço de tempo possível e que quaisquer perpetradores destes actos revoltantes enfrentem consequências graves".

"Trabalharei com os meus colegas na região para salvaguardar os vulneráveis em todas as nossas operações futuras", acrescenta a responsável.

"Além disso, comprometo-me a trabalhar com Tedros para assegurar que quaisquer falhas identificadas pelos investigadores no nosso mecanismo de denúncia de abuso e exploração sexual sejam corrigidas e para que criemos um ambiente que impeça a ocorrência de tais violações nas nossas operações", afirma ainda.

"Toda a minha vida como mulher, médica, líder, mãe e trabalhadora na área da saúde, tenho lutado contra a desigualdade de género, bem como contra o assédio e abuso sexual", escreve Moeti em sua defesa, antes de se manifestar "ao lado de qualquer pessoa que tenha sido vítima de violação sexual durante a resposta ao Ébola no leste da RDC".

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) anunciou esta quarta-feira uma investigação aos alegados abusos sexuais contra mulheres na RDC no contexto da resposta à epidemia de Ébola, manifestando-se chocada por "pessoas que se tenham apresentado como funcionários" da organização "tenham abusado de mulheres vulneráveis" naquele país.

Também a Organização Internacional para as Migrações (OIM) anunciou na passada terça-feira a realização de um inquérito e, no dia anterior, na terça-feira, a OMS informou que vai investigar as alegações de exploração e agressões sexuais.

Os anúncios surgem depois da publicação, na terça-feira, de uma investigação feita pela agência noticiosa humanitária The New Humanitarian (TNH) e pela Fundação Thomson Reuters.

A investigação, que durou meses, encontrou mais de 50 mulheres que acusam funcionários da OMS e de organizações não-governamentais (ONG) envolvidas na luta contra o Ébola de exploração sexual entre 2018 e 2020.

A República Democrática do Congo está a combater uma nova epidemia de Ébola, a décima primeira a atingir o país, que já provocou 50 mortes desde Junho.

A anterior tinha causado 2.287 mortes em 3.470 casos entre Agosto de 2018 e Junho último.

Para combater a epidemia foram investidos mil milhões de dólares (853 milhões de euros).