Sexta, 04 de Dezembro de 2020
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Treinos federados retomam este mês


08 Setembro de 2020 | 20h17 - Actualizado em 09 Setembro de 2020 | 14h02

Desporto federado retoma treinos Foto: Pedro Parente

Luanda - Os treinos nas modalidades federadas retomam a partir de dia 19 deste mês de Setembro, anunciou nesta terça-feira, em Luanda, o ministro de Estado e Chefe da Casa Civil do Presidente da República, Adão de Almeida.


O responsável, que falava em conferência de imprensa, disse que o Novo Decreto presidencial começa a vigorar a partir de quarta-feira (9).

Adão de Almeida disse que o reinício dos treinos vai permitir que haja preparação de condições, para em breve, as competições desportivas possam iniciar.

Relativamente aos exercícios físicos, apontou que se mantém as medidas da sua prática das 5 horas e 30 minutos até as 20 horas, com a limitação de ajuntamento de cinco pessoas, sem obrigação do uso da máscara.

Este desagravamento das restrições em relação aos federados se ajusta aos anseios dos fazedores do desporto, apologistas do rápido regresso às competições interrompidas em 27 de Março último, também por decreto, devido à pandemia da covid -19. 

Recentemente, o Ministério da Juventude e Desportos, federações nacionais e associações desportivas abordaram o assunto em reunião, onde foi produzida uma proposta à Comissão Multissectorial de Prevenção e Combate à covid - 19, contendo recomendações.

O documento defendia a rápida organização de competições com as medidas de segurança recomendadas, uma vontade que esbarra na questão da capacidade ou não de suportar os custos dos testes, com a regularidade que seria necessária.

Sem verbas que baste, a alternativa dos clubes seria o governo assumir os custos das testagens, mas, ainda assim, se colocaria a situação das infra-estruturas, maior parte  construídas sem os padrões de segurança que o momento impõe, como os balneários e campos de treinos.

No entanto, algumas modalidades como o futebol, andebol e basquetebol com provas ao nível das selecções nacionais estão quase que obrigadas a competir para justificar as respectivas presenças, sob o risco de pagamento de multas por parte das instituições internacionais.