Quarta, 02 de Dezembro de 2020
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Minjud descarta subvenção de testes da Covid-19


19 Outubro de 2020 | 21h33 - Actualizado em 20 Outubro de 2020 | 12h33

Ambulância do Centro Nacional de Medicina do Desporto Foto: Lino Guimarães

Luanda - O Ministério da Juventude e Desportos (Minjud) descartou, nesta terça-feira, em Luanda, a possibilidade de o Governo subvencionar os testes da Covid-19 dos agentes desportivos, intenção manifestada por clubes e federações em função dos custos elevados.


Em conferência de imprensa de apresentação do Regimento Sanitário Desportivo, no âmbito da retoma das actividades federadas, o director do Centro Nacional de Medicina, João Molima, afirmou que os testes são de inteira responsabilidade das instituições envolvidas.

Citou as federações nacionais, associações, clubes e profissionais da comunicação social.

Lembrou que a autorização da retoma das actividades se restringe ao regime de alta competição, mediante a observância das medidas de biossegurança.

João Molima referiu que os testes obrigatórios, a cargo dos organismos de tutela, deverão ser realizados 72 horas antes das competições.

Anunciou, igualmente, a obrigatoriedade de teste antes dos treinos, para assegurar o real estado de saúde dos atletas e demais integrantes no recinto.

Lembrou que, apesar de as actividades desportivas serem autorizadas pelo Executivo, podem ser alteradas em função da evolução do quadro da pandemia no país.

Neste sentido, apelou ao cumprimento restrito das medidas contidas no documento, cuja elaboração contou com a contribuição de vários agentes desportivos e outras instituições do Estado.

O Regimento Sanitário Desportivo prevê, numa primeira fase, o retomar das actividades nas modalidades de baixo e moderado risco, como atletismo, xadrez, natação, ténis, tiro, golfe, futebol, basquetebol e andebol.

De igual modo, orienta os órgãos de comunicação social para limitarem o número de profissionais durante a cobertura dos eventos, estando ainda sujeitos a testes da Covid-19.

Durante o encontro, decorrido na Galeria dos Desportos, no Complexo da Cidadela, os  agentes apresentaram preocupações inerentes ao documento, com principal incidência para o valor e capacidade financeira dos clubes para custear os testes da Covid-19.

Segundo dados actualizados, Angola contabiliza 7. 829  casos positivos, com 248  óbitos, 3. 031  recuperados e 4.450  activos.

Dos activos, nove estão em estado crítico com ventilação mecânica invasiva, 20 graves, 108   moderados, 443  apresentam sintomas leves e 3.971 assintomáticos.

Sob cuidados médicos nos centros de tratamento do país estão 576  doentes.