Domingo, 17 de Janeiro de 2021
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

IAEA financia projecto para ajudar plantas a resistir à seca


17 Outubro de 2019 | 19h34 - Actualizado em 18 Outubro de 2019 | 11h51

Luanda - Mais de 150 mil euros foram disponibilizados em 2018 pela Agência Internacional de Energia Atómica (IAEA) para Angola implementar projectos sobre aplicação da energia atómica em plantas e torná-las resistentes à seca na província do Cunene.


Segundo o coordenador do Programa de Energia Atómica do Ministério da Energia e Àguas, Félix Vieira Lopes, que falava à imprensa numa palestra sobre os benefícios da energia atómica, o projecto começou a 01 de Janeiro de 2018 e deveria ser concluído a 31 de Dezembro de 2019.

Entretanto, disse que Angola pediu seis meses adicionais para formar mais quadros, com vista a manter o projecto em funcionamento.

De acordo com o responsável, são introduzidos raios gama nas raízes das sementes para que elas cresçam de tal modo que atinjam determinadas profundidades, onde vão encontrar água, para que possam crescer e ter alimentos com as sementes radioactivas.

Sem avançar o número, adiantou que neste momento existe um grupo de técnicos nacionais que estão a ser formados no exterior do país, salientando que a experiência do Cunene vai permitir levar o projecto para outras partes do país.

Félix Vieira Lopes afirmou que, posteriormente, vão transmitir os conhecimentos adquiridos aos camponeses da província do Cunene e de outras regiões do país.

Frisou que se pretende com essas acções arranjar alimentos com base nessas plantas, para atender toda população afectada pela seca, informando estarem a preparar um novo projecto para a vacinação do gado e monitoramento da vida animal.

Durante a palestra, o director do departamento de cooperação técnica para a África da Agência Internacional de Energia Atómica,  Shaukat Abdulrazak, realçou a necessidade de aplicar a energia atómica na produção de uma electricidade sustentável.

Avançou que existe um projecto, ainda em fase de estudo, financiado pelo Banco Mundial, com recurso à energia nuclear, para combate à malária em África, como se faz com a mosca Tsé-tsé

Agência Internacional de Energia Atómica (IAEA) está a financiar projectos no ramo de rádio terapia para o instituto de combate ao cancro, construção de laboratórios para o ambiente, entre outros.

Dados avançados indicam que pelo menos 165 quadros nacionais já foram formados pela agência nas áreas de ambiente, saúde, petróleos e outras.