Quarta, 02 de Dezembro de 2020
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Rússia: Acordo reforça fornecimento de gás


24 Outubro de 2019 | 03h03 - Actualizado em 24 Outubro de 2019 | 09h45

Fábrica de Gás (Ilustracção) Foto: Vieira Aspirante

Sochi (Dos enviados especiais) - Angola e Rússia assinam hoje, quinta-feira, em Sochi, um acordo empresarial privado no domínio do fornecimento de gás, anunciou, nesta cidade, o ministro dos Recursos Minerais e Petróleos, Diamantino Azevedo.


Em declarações à imprensa, a propósito da participação do país no Fórum Empresarial Rússia – África (termina hoje), o governante adiantou que, apesar de ser privado, o projecto contará com o apoio das autoridades governamentais angolanas.

Esclareceu que não se trata de um acordo directo no âmbito dos petróleos, adiantando que os termos específicos do instrumento jurídico serão conhecidos hoje.

Além deste acordo empresarial privado, Angola e Rússia prevêem assinar hoje importantes documentos virados para outros domínios, à margem do Fórum Económico.

Os dois países têm uma forte intervenção em vários sectores de cooperação, embora o volume de negócios seja agora mais reduzido, se comparado ao da era soviética.

A cooperação militar continua a ser uma das mais intensas e sólidas entre os dois Estados. Até hoje, a Rússia é um dos parceiros mais estratégicos de Angola nesta área, devido ao seu papel histórico na guerra colonial e pós-independência.

A cooperação militar com a Rússia assenta na formação de quadros angolanos, nas diferentes áreas do sector da Defesa, sendo que este país é dos principais parceiros no processo de modernização das Forças Armadas Angolanas.

A expectativa das autoridades angolanas é aprofundar a cooperação militar e técnica, na medida em que Angola pode passar de mero consumidor para produtor.

A cooperação entre os dois Estados alarga-se a outros domínios, como o da indústria mineira. A Rússia está presente na exploração de diamantes no projecto Catoca, quarto maior kimberlito do mundo a céu aberto.

O país é responsável pela prospecção de mais de 60 por cento do diamante angolano.

O Governo e os empresários russos estão também presentes no sector financeiro, particularmente por via do Banco VTB África, e cooperam no domínio da educação.

Actualmente, pelo menos mil e 800 angolanos fazem, na Federação Russa, licenciaturas e pós-graduações, em áreas técnicas e profissionais, como construção civil, engenharia, educação e medicina.

A cooperação entre os dois países, a nível da educação, permitiu o envio de mais de 20 mil estudantes angolanos, para o ensino médio, licenciatura e pós-graduação.

Por altura da sua primeira visita de Estado à Rússia, em Abril último, o Presidente angolano expressou o desejo de continuar a ter a colaboração, abertura e disponibilidade deste país, para que os jovens angolanos cheguem às melhores universidades, institutos, escolas técnicas e outras instituições de ensino médio e superior, civis e militares.

Solicitou que a Rússia concedesse bolsas de estudo para beneficiar jovens que se foram destacando pela sua dedicação e inteligência nas escolas de formação inicial.

Outra área em que as autoridades angolanas querem marcar passos na cooperação é a produção de fertilizantes, um dos temas que estarão na "pauta" do encontro do Chefe de Estado angolano com entidades empresariais e políticas da Rússia, aqui em Sochi.

Trata-se de uma área de cooperação estratégica que as autoridades angolanas querem materializar, no quadro da forte aposta do Governo no relançamento da agricultura.

Para tal, em Abril último, João Lourenço manifestou interesse em cooperar com a Rússia neste domínio e deu "luz verde" para os empresários russos apostarem na produção de fertilizantes, tractores e alfaias agrícolas.