Quinta, 26 de Novembro de 2020
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Centro de Larvicultura do Mucoso interrompe produção da tilapia


21 Outubro de 2020 | 14h58 - Actualizado em 21 Outubro de 2020 | 14h58

Dondo - A produção de tilapia no Centro de Larvicultura do Mucoso, na província do Cuanza Norte, está suspensa, há cerca de seis meses, devido a problemas relacionados à irregularidade no abastecimento de água, informou hoje o responsável da instituição, António Pedro Escórcio.


Em declarações à Angop, António Escórcio disse que o empreendimento, gerido pela empresa Gesterra, vai deixar de produzir 350 mil toneladas de tilapia adulta (cacusso) / ano, por causa da fraca capacidade do sistema de captação de água, instalada no rio Kwanza.

O empreendimento possui uma central de captação de água que funciona com uma electrobomba, com capacidade para fornecer 65 metros cúbicos/hora.

A unidade de produção necessita de, pelo menos, 72 metros cúbicos de água/ hora, mais só esta a beneficiar, actualmente, de nove metros cúbicos/hora, quantidade insuficiente para manter os níveis desejados de produção.

Perante esta realidade, a unidade produtora circunscreveu a sua actividade na produção de alevinos, destinando a pouca quantidade de água que recebe ao abastecimento dos tanques de produção de larvas da tilapia.

A unidade possui 18 tanques de 450 mil litros de água com 20 mil peixes cada e quatro de mil e 500 litros de água que albergam seis mil e 600 alevinos cada e deve renovar todos os dias cerca de três mil litros, para manter a produção.

António Escórcio não avançou datas para a retomada da produção do cacusso nem os passos que estão a ser dados para a normalização do fornecimento de água.

Entretanto, o centro vai ainda este ano arrancar com o funcionamento da fábrica de ração, instalada no local, com uma capacidade para 200 quilogramas/ hora.

A unidade interna de produção de ração encontra-se inoperante, desde a sua inauguração, em 2015, por falta de matéria-prima, como premix, misturas de proteínas e vitaminas.

Esclareceu que neste momento o centro tem já disponível essa matéria-prima, para o fabrico de ração, cuja produção servirá não só a instituição, mas também piscicultores da província.

Para manter o funcionamento do centro, são necessários 250 quilogramas de ração/dia. Nesta altura a ração é adquirida no mercado nacional ao preço de 500 kwanzas o quilograma.

O centro, situado na comuna de Massangano, município de Cambambe, conta com uma capacidade anual de produção de 350 mil/ toneladas de peixe tilápia e dois milhões de alevinos.

Dezanove técnicos asseguram o funcionamento da unidade de produção.