Quinta, 03 de Dezembro de 2020
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Produção agrícola baixa no Moxico


24 Outubro de 2020 | 15h42 - Actualizado em 24 Outubro de 2020 | 15h42

Moxico: Governador Gonçalves Muandumba visita Exposição de Produtos Agrícolas Foto: kinda kyungu

Luau - Quinhentos e 61 mil toneladas de produtos diversos foram colhidos pelos camponeses da província do Moxico, na campanha agrícola de 2019/2020, contra um milhão e 565 mil toneladas colhidas na época de 2018/2019.


De acordo com o director provincial da Agricultura, Pecuária e Pescas, António Maia Sandjesse, essa redução considerável de cerca um milhão e quatro mil toneladas de produtos diversos deveu-se a exiguidade de técnicos, meios de mobilidades para uma cobertura das áreas de intervenção nas aldeias e o surgimento da pandemia da covid-19.

Apesar destes obstáculos, o responsável que falava no acto de abertura da campanha agrícola 2020/2021, apontou a regularidade das chuvas, disponibilidade de "inputs" agrícolas, como momentos positivos do ano agrícola transacto.

Já para a presente campanha, prevê-se colher 449 mil e 80 toneladas de culturas diversas, a serem lançadas numa área de 50 mil e 490 hectares de terra, anunciou.

Explicou que dos referidos hectares, mil e 515 foram preparados de forma mecanizada, 48 mil e 946 manual e 30 a tracção animal.

Sem revelar a quantidade de inputs agrícolas disponíveis para este ano agrícola, o director provincial disse que serão assistidos 33 mil e 660 famílias camponesas organizadas em associações e cooperativas agrícolas, no âmbito do Programa de Extensão e Desenvolvimento Rural (PEDR) e do Combate a Fome e Pobreza.

Fez saber que os referidos Programas contam com o apoio das administrações municipais, Fundo de Apoio Social (FAS) e da Federação Luterana Mundial (LWF).

O governador do Moxico, Gonçalves Muandumba, que testemunhou a abertura da campanha agrícola, pediu o empenho das associações e cooperativas agrícolas da região, pelo facto, de a agricultura constituir o sector que visa a diversificação e desenvolvimento da economia do país.

Na ocasião foram entregues aos camponeses, vários inputs agrícolas, uma viatura com capacidade de transportar cinco toneladas de produtos diversos, uma motorizada e gado caprino, pelos parceiros do Estado, nomeadamente, FAS e a LWF.

Elefantes devastam culturas

Oito toneladas de banana entre outros produtos diversos foram destruídas, durante o ano em curso, por elefantes, na localidade de Sengo, município do Luau (Moxico).

Segundo o director municipal da Agricultura e Pescas, Cahilo Tchinjica que prestou a informação à imprensa, o facto é um hábito que ocorre anualmente na região.

Frisou que os técnicos do seu sector estão a sensibilizar os agricultores para evitar o abate dos animais, por se encontrarem no seu habitat.

Para se evitar danos semelhantes, os agricultores são aconselhados a cultivarem em outras zonas, distantes dos elefantes.