Domingo, 17 de Janeiro de 2021
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

MED apresenta plano de alfabetização EJA 2019-2022


06 Setembro de 2019 | 16h18 - Actualizado em 06 Setembro de 2019 | 16h18

Luanda - O Ministério da Educação (MED) apresentou, nesta sexta-feira, em Luanda, ao público o Plano de Acção para a Intensificação da Alfabetização e Educação de Jovens e Adultos EJA Angola.


O EJA Angola tem como objectivo intensificar a mobilização da sociedade, com um conjunto de actividades para sensibilizar as famílias e as empresas a aderir as aulas de alfabetização.

A ministra de Estado para a Área Social, Carolina Cerqueira, que presidiu o acto central do dia internacional da alfabetização, afirmou ser com este instrumento que o Estado angolano vai procurar cumprir os compromissos regionais, africanos e mundiais nesta matéria, nomeadamente o Plano Estratégico Indicativo de Desenvolvimento Regional da SADC e a Agenda África 2063 da União Africana, bem como a Agenda 2030, com os seus objectivos de desenvolvimento sustentável das Nações Unidas.

Carolina Cerqueira recomendou que o EJA Angola seja avaliado de seis em seis meses, para aferir as melhorias que devem ser sucessivamente introduzidas ao longo dos próximos três anos.

“A nossa meta é aproximar-nos da erradicação do analfabetismo no quadro da Agenda 2030”, frisou.

Até 2018 foram alfabetizados, no país, um milhão 276 mil e 669 alfabetizados. No presente ano estão matriculados 85 mil e 300 alunos para o ensino de adultos.

Relativamente a alfabetização e multiliguismo tem no registo 120 alunos, 95 dos quais são mulheres.

O Dia Internacional da Alfabetização foi instituído pela Organização Das Nações Unidas, com o objectivo de despertar a consciência da comunidade internacional para um sério compromisso mundial relacionado com o desenvolvimento da educação e a promoção da literacia.

A Organização das Nações Unidas para Educação Ciência e Cultura (Unesco) adoptou para este ano o lema “Alfabetização e Multilinguismo”. Enquanto o MED tem como lema “Alfabetização em Línguas Locais Como Factor de Inclusão Social”.