Quarta, 25 de Novembro de 2020
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Covid-19: Professores exortados ao activismo


03 Julho de 2020 | 16h11 - Actualizado em 03 Julho de 2020 | 16h10

Menongue - O director do Gabinete Provincial da Educação no Cuando Cubango, Miguel Kanhime "Kazavube", apelou hoje, sexta-feira, aos novos professores a ajudarem as comunidades nas acções de prevenção contra a ovid-19.


Segundo o responsável,     que falava na cerimónia de encerramento do seminário de capacitação dos 489 professores admitidos no concurso público realizado em Novembro de 2019, os docentes estão preparados para serem activistas assíduos na transmissão de conteúdos tendentes a prevenir a população e a salvar vidas.

Para além das questões pedagógicas e metodológicas, a formação contou com a intervenção de técnicos da saúde que partilharam informação sobre os sintomas e identificação da doença, bem como os pressupostos para o seu acompanhamento.

O seminário serviu, de igual modo ,para reactualizar os conhecimentos sobre as leis orientadoras do país, sobretudo os decretos do sector da educação, bem como matérias sobre a deontologia profissional e a planificação, deontologia profissional e a planificação de aulas.

Famílias do Caiundo assistidas

Cem famílias, das quais 39 pertencentes ao grupo étnico Khoisan, das aldeias de Canhanga, Ntopa, Catanga, Vutchino Novo e Vutchino Antigo, na comuna do Caiundo, município de Menongue, foram assistidas, na quinta-feira, pelo governo do Cuando Cubango, no quadro das acções tendentes à prevenção da Covid-19.

No leque de ofertas constou 100 reservatórios de água, igual número de garrafas de lixívia, roupa usada, medicamentos e quites com meios para a higiene íntima feminina.

Foram igualmente vacinadas 396 crianças, 43 contra pólio, igual número contra a pneumo e pentavalente, 10 vacinas antitetânicas para mulheres grávidas e 127 para outras mulheres.

A vice-governadora para o sector político, social e económico do Cuando Cubngo, Carla Cativa, informou que visita enquadra-se no âmbito da resposta e apoio às populações vulneráveis.

Sobre a problemática do consumo de água não tratada, informou que o governo está a desenvolver acções de educação e sensibilização sobre a utilização correcta da lixívia.

A vice-governadora apontou ainda esforços para o reassentamento da comunidade Khoisan, como forma de dar-lhes a oportunidade para a reintegração, capacitando-os com técnicas agrícolas.

“A população está espalhada em toda província. Anteriormente não tínhamos no município do Cuchi, mas quando começamos a enfrentar o problema da estiagem houve mobilidade desta comunidade”, disse.

No entender da responsável, a localização e reassentamento de toda população Khoisan vai permitir que o governo direccione acções e infra-estruturas sociais e melhore a condição de vida destes, com maior integração e facilidade.

Lembrou do levantamento, em curso, de terrenos agrícolas para as cooperativas familiares, para o cultivo do arroz, horticultura e como cereais.

“As famílias ficarão agrupadas por associações para facilitar a entrega de meios para a realização da actividade agrícola”, frisou.

Adiantou que será, igualmente, feito o cadastramento d as crianças da comunidade khoisan para a sua inclusão no sistema de ensino.