Quarta, 02 de Dezembro de 2020
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Covid-19: Encarregados de educação divididos no Cunene


29 Setembro de 2020 | 16h57 - Actualizado em 29 Setembro de 2020 | 16h57

Cunene: Escola do ensino primário 8 de Janeiro "Onakhumba", uma das que reabre em Outubro Foto: Henri Celso

Ondjiva - Os pais e encarregados de educação na província do Cunene mostraram-se hoje, terça-feira, divididos em mandar as crianças a escola, com a retomada das aulas em Outubro deste ano, interrompidas em Março, por causa da Covid-19.


De acordo com o novo calendário escolar, no dia 5 de Outubro começam as aulas no ensino universitário e para as classes de transição do I e II ciclos do ensino secundário (6ª, 9ª, 12ª e 13ª classes).

No dia 19 de Outubro entram em cena os estudantes da 7ª, 8ª, 10ª e 11ª classe, todas também do II ciclo do ensino secundário, ao passo que no ensino primário e no I ciclo começam dia 26 de Outubro.

Com as turmas divididas em grupos, no ensino primário e I ciclo, as aulas terão a duração de 02h30, enquanto no II ciclo do ensino secundário 03h30 de carga horária, sem direito a intervalo.

Em entrevista à Angop, Rebeca Miguel, encarregada de educação, disse que as crianças podem retomar os estudos mas as escolas devem manter as condições de biossegurança, sobretudo água, lixívia e sabão azul, para lavagem das mãos com frequência.

Já  Atanasio Shikalepo, com três filhos em idade escolar, referiu que a situação da Covid-19 exige maior atenção, pelo que durante as aulas, deve existir um rigor na coordenação e controlo das crianças para não terem contactos com os colegas.

Eliana da Conceição entende que mandar as crianças a escola, nesta fase em que os casos crescem diariamente no país, constitui risco na propagação do vírus, visto que reencontro entre colegas proporcionara níveis emocionais ao ponto de manterem contactos físicos e possíveis contaminações.

O funcionário público Paulino dos Santos, pai de dois menores, é de opinião que o Executivo deve mais uma vez suspender as aulas para a protecção dos alunos. Assim estaria a evitar consequênciais desastrosas nas famílias e a sociedade, numa altura em que o quadro epidemiológico da doença no país é preocupante.

Eugénia Manuel, com duas crianças no ensino primário,  disse que antes da retomada das aulas, os ministérios da Educação e da Saúde, deviam analisar bem as condições se favorecem para o recomeço ou não das aulas, para evitar a contaminação comunitária nas demais provinciais.

Por seu turno, o director provincial da Educação no Cunene, Domingos de Oliveira, disse que as 76 escolas do I e II ciclos do ensino secundário nos seis municípios, dispõem de condições de biossegurança para o retorno das aulas na data prevista.

Domingos de Oliveira sublinhou que o regresso às salas de aula exige responsabilidades também dos pais e encarregados de educação em consciencializar as crianças sobre o uso da mascara, lavagem das mãos e manter o distanciamento físico, para evitar contaminação.

No ano lectivo de 2020, o Gabinete Provincial da Educação do Cunene matriculou, 235 mil e 107 alunos distribuídos em 868 escolas, sendo 792 do ensino primário, 56 do primeiro ciclo e 20 do segundo, assegurados por seis mil e 298 professores.