Quarta, 02 de Dezembro de 2020
    |  Fale connosco  |   Assinante    
 

Covid-19: Governadora exige maior envolvimento das administrações


02 Outubro de 2020 | 15h12 - Actualizado em 02 Outubro de 2020 | 15h12

Governadora da Província do Huambo, Lotti Nolika Foto: Aurelio Janeiro

Huambo - A governadora da província do Huambo, Lotti Nolika, exigiu, esta sexta-feira, um maior envolvimento das administrações municipais na criação de condições de biossegurança nas escolas, para se evitar a propagação da Covid-19, com a retoma das aulas no dia cinco deste mês.


A governante lançou este desafio, quando intervinha na VIII sessão ordinária do Governo local, durante a qual informou que, apesar do retorno às aulas, algumas escolas nos municípios ainda enfrentam dificuldades em termos de materiais de biossegurança, situação que precisa ser revertida.

Por isso, realçou que os administradores municipais devem envolver-se um pouco mais, para o bem-estar das crianças nas escolas, que dever ser prioridade.

Considerou como imprescindível a união de esforços, por ser um momento sério, pois que qualquer situação que for prejudicial, tanto nos alunos como nos encarregados de educação, a responsabilidade recairá para as autoridades.

Nesta esteira de pensamento, Lotti Nolika apela para uma maior responsabilidade quanto à questão de biossegurança nas escolas, para evitar surpresas, reconhecendo, deste modo, o esforço dos administradores municipais e directores de gabinetes provinciais, que apesar das dificuldades, tudo têm feito para elevar o bem-estar das comunidades.

Reinício das aulas

De acordo com o director do Gabinete da Educação, Celestino Piedade Chiquela, o regresso das aulas, seis meses depois da suspensão das aulas, para evitar a propagação da Covid-19, contará com 300 mil alunos de classes de transição do ensino primário ao II ciclo.

Trata-se de alunos matriculados na 6ª classe (no ensino primário), na 9ª, no I ciclo, na 12ª, no II ciclo, bem como na 13ª, nos magistérios primários e escolas médias de formação técnico-profissional, de acordo com o calendário nacional ajustado, devido ao “novo normal”.

A Província do Huambo tem à sua disposição mil e 226 escolas do ensino primário ao II ciclo do ensino secundário, incluindo os Magistérios Primários e as instituições de ensino técnico-profissional.

A VIII sessão ordinária do Governo do Huambo está analisar, entre outras questões, o reinício do ano lectivo e as condições de biossegurança nas escolas, a situação da campanha agrícola 2020/2021, assim como o balanço da arrecadação das receitas na província e o grau de execução do Plano Integrado de Intervenção dos Municípios (PIIM).